Pesquisar
Close this search box.

Baixo para iniciantes: Os 10 melhores em 2024

Um guia completo de como escolher o seu baixo para iniciantes. Listamos os melhores baixos para sua iniciação a preços acessíveis.

O papel do baixista é fundamental em qualquer banda. Ele é o elo sonoro entre os elementos rítmicos e melódicos da música. Junto com a bateria, o baixo fornece a espinha dorsal, também conhecida como cozinha, da música. 

Agora que você decidiu se juntar à legião de baixistas, é hora de escolher um excelente instrumento. Selecionar um bom baixo para iniciantes, definitivamente, é um passo fundamental na sua iniciação.

A ideia de aprender um novo instrumento é desafiadora e ao mesmo tempo gratificante. O mais importante neste momento é ter a mentalidade certa e se divertir. Dito isto, definir qual instrumento vai te acompanhar neste começo pode ajudar, e muito, nessa causa.

Tudo o que você precisa é que seu baixo para iniciantes toque bem, soe bem e não custe muito. Vale a pena tentar encontrar um que tenha uma aparência legal também. O objetivo é achar um baixo que o inspire e o mantenha tocando. 

Essa regra de ouro da compra de equipamentos nunca muda: sempre pegue o instrumento que te dá vontade de tocar. 

No mercado de hoje, é fácil encontrar centenas de baixos para iniciantes de excelente qualidade por menos (às vezes muito menos) de R$ 2.000,00. No início da jornada musical é importante encontrar um baixo bom e barato, que vai deixar você empolagado para tocar, mas não vai impactar radicalmente o seu orçamento.

Uma nota rápida sobre nossa lista: existem diversos tipos de baixo, mas escolhemos apenas baixos de quatro cordas com o argumento de que, como iniciante, você não precisa mais do que isso.

Abaixo segue tudo o que você vai ver neste artigo:

Top 10 Melhores Baixos para Iniciantes

Vamos começar direto com a lista dos melhores baixos para iniciantes para saciar rápido a sua curiosidade. Abaixo segue a lista com os top 10!

Tagima TW73

 A Tagima passou a fazer instrumentos de muita qualidade e seu acabamento não deixa nada a desejar quando comparados a outras marcas renomadas. Márcio Zaganin, um dos mais respeitados luthiers do Brasil, é o atual responsável pela produção e desenvolvimento de novos produtos e controle total de qualidade dos instrumentos Tagima.

O baixo para iniciantes Tagima TW73 tem clara inspiração no Jazz Bass da Fender. É um baixo gostoso de se tocar e com um peso confortável.

Seu corpo é construído em Poplar. O braço tem formato em C (falaremos sobre este tema um pouco mais abaixo no artigo) , o que dá uma pegada confortável pra quem está iniciando, e a escala tem 21 trastes e 34 polegadas, ambos feitos em Maple.

Esse baixo possui 2 captadores single coil cerâmicos J model by Tagima. Tem 3 botões de controle, sendo 2 de volume (um de cada captador) e 1 de tom geral.

O que resolve a questão sobre esse baixo é a relação custo-benefício, você consegue um desses por menos de R$1.500.

Resuminho:

  • Corpo: Sólido
  • Captação: Passiva
  • Cordas: 4 cordas
  • Versão para canhotos: Não
  • Preço: R$1.464 a R$ 1.609

Ibanez TMB100

Se o visual retrô e os tons clássicos são o que você procura em um instrumento, então o TMB100 é a escolha certa para ser o seu primeiro baixo. Sem falar que é um Ibanez, uma marca japonesa reconhecida mundialmente por seus instrumentos de primeira.

Ele é um baixo brilhante, toca bem e soa muito bem. O braço, feito em maple, tem um bom acabamento acetinado, por isso é fácil deslizar a mão para cima e para baixo como quiser. A escala é a standard de 34 polegadas.

Ele possui dois captadores passivos, um P model mais próximo ao braço e um J model mais próximo à ponte, o que traz uma variedade de timbres bem interessante e torna o TMB100 um baixo muito eclético.

A gama de tons que você pode obter com este instrumento é insana. Este é definitivamente um excelente baixo para iniciante, e até mesmo para quem já esteja tocando há anos.

Com um pequeno ajuste, este Ibanez tem o potencial de fazer você pensar duas vezes antes de gastar uma nota em um baixo de ponta.

Resuminho:

  • Corpo: Sólido
  • Captação: Passiva
  • Cordas: 4 cordas
  • Versão para canhotos: Não
  • Preço: R$2.176 a R$2.966

Tagima TW66 

O Tagima TW66 tem clara inspiração no Fender American 60th Anniversary Precision Bass Limited Edition. E, por tanto, apresenta características que somam marcas registradas do Precision Bass desde sua criação e uma aparência que lembra uma Telecaster.

Seu corpo é construído em Poplar. O braço tem formato em C, com uma pegada confortável pra quem está iniciando, e a escala tem 21 trastes e 34 polegadas. Ambos feitos em Maple.

A linha Woodstock da Tagima é conhecida por sua alta qualidade e o acabamento deste instrumento é impecável. Este é um contra-baixo passivo de quatro cordas. Ele possui 1 captador P model cerâmico by Tagima. Como um bom Precision, tem apenas dois botões de controle, sendo um de volume e um de tonalidade geral.

O Precision é um baixo com uma timbragem bem específica pelo fato de ter somente um captador e, por tanto, oferece menos opções de tonalidade. Se a sua intenção é tocar gêneros como rock, punk, surf music, ou grunge esse é o baixo para iniciantes ideal pra você.

Resuminho:

  • Corpo: Sólido
  • Captação: Passiva
  • Cordas: 4 cordas
  • Versão para canhotos: Não
  • Preço: R$1.275 a R$1.338

Ibanez GSRM20BS

Uma característica que chama atenção no Ibanez GSRM20BS é sua escala curta, de 28 polegadas. Isso o torna um ótimo baixo para mãos pequenas e super divertido para mãos grandes.

É um baixo de ótima sonoridade e fácil de tocar. Pode se dizer que não tem a mais alta qualidade de construção, mas definitivamente se mantém na categoria “bom custo-benefício”.

Ele possui dois captadores passivos, um Dynamix P mais próximo ao braço e um Dynamix J mais próximo à ponte, o que traz um enorme sortimento de sonoridade.

Seu corpo é construído em poplar e o braço em maple. Os trastes são nivelados e bem acabados, as cravelhas são suaves e mantêm a afinação.

Resuminho:

  • Corpo: Sólido
  • Captação: Passiva
  • Cordas: 4 cordas
  • Versão para canhotos: Sim
  • Preço: R$1.741

Tagima TW65

Este é um Tagima da linha Woodstock, reconhecido pelo excelente controle de qualidade, que hoje é o grande chamariz da marca, capitaneado pelo luthier Márcio Zaganin.

O TW65 é um baixo para iniciantes híbrido, pois tem o corpo de um Precision Bass, mas traz um captador extra J model single coil cerâmico como os de um Jazz Bass, alem do tradicional P model.

Podemos dizer que este é um Precision “on steroids”, pois o captador extra torna o TW65 um baixo ainda mais eclético, se encaixando bem em qualquer tipo de música. Essa configuração de captação é incrível, possibilitando uma gama enorme de timbres do instrumento.

Seu corpo é construído em Poplar. O braço tem formato em C, com uma pegada confortável pra quem está iniciando, e a escala tem 21 trastes e 34 polegadas. Ambos feitos em Maple.

Ele possui três knobs de controle, sendo dois de volume (um para cada captador) e um para controle de agudos.

É uma compra certeira por um preço inigualável.

Resuminho:

  • Corpo: Sólido
  • Captação: Passiva
  • Cordas: 4 cordas
  • Versão para canhotos: Não
  • Preço: R$1.349 a R$1.619

Yamaha TRBX304 BL

O Yamaha TRBX304 reúne as melhores características dos aclamados modelos TRB e RBX em um único instrumento.Tem um que é uma delícia de ouvir. É confortável de tocar e seu corpo foi projetado para proporcionar o equilíbrio ideal entre conforto e uma distribuição de peso perfeita.

Qualidade incrível pelo preço. É um dos melhores baixos para iniciantes que você pode encontrar no momento.

A qualidade de construção é excelente e a gama de tons que pode produzir torna-o incrivelmente versátil. Ele é equipado com um par de captadores humbucker M3 de cerâmica que fornecem um som limpo, profundo e poderoso.

Seu corpo é construído em mogno e o braço é feito de maple e mogno. É um baixo de escala longa, de 34 polegadas, e possui 24 casas.

Resuminho:

  • Corpo: Sólido
  • Captação: Passiva
  • Cordas: 4 cordas
  • Versão para canhotos: Não
  • Preço: R$3.460

Squier Paranormal Jazz Bass ’54

A Squier oferece versões mais em conta dos instrumentos Fender e foi adquirida pela Fender em 1965. Se você quer uma versão mais barata, o Paranormal Jazz Bass ’54 é um baixo fantástico, além de ser lindo.

O Jazz Bass só foi lançado em 1960, então a Fender colocou esse Jazz Bass numa máquina do tempo pra criar um baixo que traz o estilo de alguns baixos Precision que circulavam na década de 50.

O Paranormal Jazz Bass ’54 tem dois captadores alnico single coil estilo Jazz Bass e traz dois knobs, cada um com controle de volume e tonalidade de cada captador, essa foi uma excelente sacada do modelo pois reduz a quantidade de botões e deixa o visual dele mais clean sem perder o controle sobre os captadores. 

O seu braço em forma de C e de largura mais estreita é muito gostoso e fácil de se tocar, o que faz dele um excelente baixo para iniciantes. 

Em resumo, esse baixo soa muito bem, tem um visual incrível e custa muito menos que um Fender.

Resuminho:

  • Corpo: Sólido
  • Captação: Passiva
  • Cordas: 4 cordas
  • Versão para canhotos: Não
  • Preço: R$3.516

Epiphone Viola

O Epiphone Viola tem clara inspiração no icônico baixo Hofner do Paul McCartney

Este é um baixo semi-acústico muito leve, menorzinho e, por tanto, bom de tocar e de se carregar. Tem um timbre bem suave e opaco. 

Ele é um instrumento bem específico, que não vai soar como um Precision ou um Jazz.  Este pode ser um perfeito baixo para iniciantes, especialmente se você pretende tocar estilos como  blues, folk, rockabilly e o jazz.

O Epiphone Viola tem o corpo de maple, 2 captadores Mini Humbucker e 3 knobs de controle, 2 de volume (um para cada captador) e um de tonalidade geral para controle de agudos.

Resuminho:

  • Corpo: Semi-acústico
  • Captação: Passiva
  • Cordas: 4 cordas
  • Versão para canhotos: Não
  • Preço: R$ 4.750 a R$ 5.010

Squier Affinity Jazz Bass

Este é um baixo para iniciantes de alta qualidade. O Squier Affinity Jazz Bass não é um baixo muito pesado, mantém a afinação e o braço (em maple) e a escala (em laurel indiano com 34 polegadas) são um prazer de segurar e tocar. O braço do Jazz Bass é notavelmente mais fino na ponta, diferente do Precision Bass, o que dá uma facilitada para que está começando.

Este baixo vem equipado com 2 captadores standard single coil Jazz Bass e 3 controles, sendo um de volume para cada captador e um de tonalidade geral. Esses captadores fazem o Jazz Bass ter uma som mais brilhante e rico em médios.

Muitas pessoas tentam comprar um Squier achando que vão receber um Fender, e isso não vai acontecer. No entanto, é realmente incrível o quão bem este baixo toca e soa. 

Pelo preço, esse baixo é incrível. Se você está apenas começando (ou quer ter um baixo reserva), economize um pouco mais e compre um desses. 

Resuminho:

  • Corpo: Sólido
  • Captação: Passiva
  • Cordas: 4 cordas
  • Versão para canhotos: Não
  • Preço: R$ 2.779 a R$ 3.599

Squier Mini Precision Bass

A Squier possui uma linha de baixos de tamanho de corpo e escala reduzidos que pode ser uma ótima opção para músicos mais jovens que desejam dar seus primeiros passos no baixo.

O Mini Precision pesa 40% menos que um Precision de tamanho normal e a escala reduzida faz com que os dedos passeiem de forma facilitada pelo braço do instrumento.

Ele possui um braço de maple em forma de C e é aparafusado a um corpo de poplar, com a configuração usual de controles de volume e tom. O captador é um clássico single coil P model.

De forma alguma é um baixo de ponta, mas pelo preço, vale muito a pena. A Fender realmente tem se preocupado cada vez mais com a qualidade de seus produtos Squire.

Resuminho:

  • Corpo: Sólido
  • Captação: Passiva
  • Cordas: 4 cordas
  • Versão para canhotos: Não
  • Preço: Ver disponibilidade

Como Escolher o Melhor Baixo para Iniciantes

A internet é uma ótima ferramenta para pesquisar diferentes tipos de baixos, mas são tantas opções que um iniciante pode se sentir perdido com tanta diversidade. Baixos vêm em uma variedade de formas, tamanhos, marcas, número de cordas…

Neste guia, vamos ajudá-lo com o que realmente deve ser considerado para escolher seu baixo para iniciantes. 

Tipo de música quer tocar 

O gênero e o estilo de música que você gosta podem ajudá-lo a decidir sobre o tipo de baixo que você vai escolher. 

Músicos que tocam rock, metal e funk normalmente utilizam baixos de corpo sólido.

Outros gêneros, como o blues, o jazz e até mesmo alguns estilos mais experimentais, às vezes pedem um som diferente que o baixo de corpo semi-acústico consegue entregar.

Essa primeira dica pode ajudar você a eliminar um dos dois tipos e já deixá-lo mais próximo da sua escolha correta.

Captação passiva vs captação ativa

Baixo passivos são instrumentos de construção mais simples. Eles têm um captador (ou dois), este captador cria uma corrente elétrica quando as cordas são tocadas que passa por um botão de volume e controle de tone. Tenha em mente que este controle de tone não é um equalizador, mas apenas um regulador de agudos. Neste tipo de baixo não se pode obter frequências diferentes; para isso seria necessário energia extra. 

Normalmente descrevemos o som de um baixo passivo como robusto, redondo ou forte – perfeito para gêneros “orgânicos” como rock, blues, jazz e afins.

Um baixo ativo é equipado com um pré-amplificador interno alimentado por bateria, não muito diferente do pré-amplificador de um amplificador de baixo tradicional. Ao invés de apenas cortar os agudos, como nos baixos passivos, nos baixos ativos podemos atingir diferentes frequências (controlando os médios, agudos e graves).

Ao decidir se deve escolher um ativo ou não, você deve ter em mente que baixos ativos requerem uma bateria, então você tem um primeiro problema aí. À medida que a bateria começa a morrer, você começa a ter vários problemas no som. Seu volume começa a cair, o tone começa a diminuir e, eventualmente, uma distorção começa a aparecer.

Para fugir dessa dor-de-cabeça, quando estiver escolhendo o seu baixo para iniciantes, dê preferência para baixos passivos.

Formato do braço

Existem basicamente 3 formatos de braço para baixos. São eles:

  • Em forma de U – Às vezes chamam este tipo de braço de “taco de beisebol”, baixos com braços em forma de U são mais adequados para músicos com mãos grandes, pois ele é mais grosso e arredondado.
  • Em forma de V – É um tipo de braço mais raro de ser encontrado, era mais usado em instrumentos antigos. É um tipo de braço que privilegia posições de mão específicas de se tocar. Mais adequada para baixistas experientes.
  • Em forma de C – É o tipo de braço mais comum que se adequa bem para a maioria dos tamanhos de mão e estilos de tocar. O braço em forma de C tem uma forma oval que o faz mais universalmente confortável e é amplamente utilizado pelas marcas de baixo.

O seu baixo para iniciantes definitivamente deve ter um braço em forma de C.

Corpo sólido vs. semiacústico (semi-hollow)

No mercado, além da variedade de marcas, diferentes tipos de braço e quantidade de cordas que um baixo pode ter, você encontra uma vasta oferta de instrumentos de corpo sólido e semiacústico.

Afinal, que tipo de corpo deve ter seu baixo para iniciantes?

O Baixo de corpo sólido, como o próprio nome diz, tem sua construção feita com madeira maciça. Por isso, eles sustentam notas por mais tempo e, quando amplificados, não sofrem com o feedback (aquele barulho em loop quando o som do amp volta pro baixo e o baixo joga de volta pro amp). Caso queira usar pedais de efeito no seu baixo, o resultado vai ser bem melhor num baixo de corpo sólido.

Esse tipo de baixo é mais adequado para estilos como o rock, metal, punk e o pop.

Já o baixo semi-acústico, tem uma tem uma construção do corpo que combina uma parte sólida no centro com as laterais ocas. Por causa dessas partes ocas, ele sustenta menos as notas, mas ao mesmo tempo traz uma sonoridade diferente e bem agradável.

O baixo semiacústico se adequa melhor a estilos como o blues, folk, rockabilly e o jazz.

Aqui, mais uma vez a escolha vai ter mais a ver com o estilo de música que quer tocar do que qualquer outra coisa.

4 cordas vs. 5 cordas

Enquanto o baixo elétrico padrão tem quatro cordas, também existem modelos de cinco, e até seis cordas.

Apesar dos baixos de 5 e 6 cordas oferecerem mais cordas para expandir sua gama de notas e criatividade em todo o braço do baixo, elas geralmente não são recomendadas para iniciantes.

A maioria dos baixos tem quatro cordas e se você é um iniciante iniciante, é altamente indicado que você comece com um baixo de quatro cordas.

Os baixos de quatro cordas são muito versáteis e adequados para a maioria, se não todos os estilos musicais. O braço em baixos de quatro cordas são menores e mais finos do que aqueles em baixos de cinco e de seis cordas, o que os tornam muito mais fáceis de tocar e aprender.

Escolha marcas confiáveis

Apesar de você estar buscando um baixo para iniciantes, é importante que faça uma boa escolha pois seu instrumento pode (e deve) te acompanhar por um longo período de tempo.

Essa máxima vale para pessoas que estejam escolhendo marcas de violão, marcas de guitarra ou de qualquer outro instrumento.

Um baixo de boa qualidade deve ter um alto controle de qualidade, todas suas partes devem ser construídas com matérias-primas confiáveis e seus captadores devem funcionar de maneira impecável. O acabamento deve ser de primeira, também.

Para se livrar de uma furada, sempre opte por marcas tradicionais e confiáveis. A chance de você ter uma decepção com uma marca estabelecida é muito pequena. Aqui em nosso artigo selecionamos baixos das marcas Tagima, Squier, Ibanez, Yamaha e Epiphone.

Verifique o peso do baixo

Baixos são pesados por natureza por serem instrumentos maiores. Eles foram criados para emitir notas de baixa frequência, e isso exige uma estrutura mais robusta e pesada, diferente das guitarras que emitem sons de frequência mais média.

Não só seu tamanho é maior, como suas cordas são mais grossas que as de uma guitarra ou violão. A cordas acabam pressionando mais o braço que também precisa ser mais forte.

No entanto, entre os baixos, não necessariamente o mais pesado soa melhor. O que de fato importa são a qualidade da madeira e dos captadores. Também, é crucial que você se sinta confortável tocando o seu baixo.

Baixos de 5 e 6 cordas são ainda mais pesados que os de 4 cordas, também por isso, opte por um de 4 cordas para iniciar.

Se atente ao tamanho de escala do baixo

O tamanho de escala é a distância entre o nut (aquela pecinha de marfim que apoia as cordas perto de onde se afina o baixo) e a ponte (os carrinhos de metal que apoiam as cordas no corpo do baixo).

Os baixos de escala longa (também conhecidos como standard) são os mais comuns e tem 34 polegadas de comprimento. Já um baixo de escala curta tem 30 polegadas de comprimento.

O tamanho da escala é uma medida mais relevante para baixistas de baixa estatura ou crianças, que com certeza vão se sentir mais confortáveis tocando um instrumento de escala curta.

Se não for este o seu caso, dê preferência para um baixo para iniciantes com escala standard.

Acessórios para o baixo: quais o iniciante precisa?

Agora que você já sabe como escolher o seu baixo para iniciantes, é preciso entender quais acessórios são essenciais (e quais são legais de ter) para que já possa sair tocando.

Amplificador – Se você optou por um baixo de corpo sólido, você vai precisar de um amplificador para tocar seu instrumentos. Poucas coisas são mais satisfatórias do que ouvir o som de um baixo quando tocado em um amplificador. Plugar e praticar é uma ótima maneira de ouvir todas as possibilidades sonoras do seu baixo e isso vai ajudá-lo a aprimorar sua técnica.

Cabos  – Para conectar o seu baixo no amplificador e praticar, você precisará de um cabo P10 x P10. Mais tarde, você também vai precisar usar cabos de baixo para utilizar diferentes pedais de efeitos e de afinação.

Afinador – Embora muitos músicos aprendam a afinar de ouvido, ter um afinador confiável pode tornar mais fácil garantir que seu baixo permaneça afinado. Se você já quiser pensar nas futuras apresentações em shows, vale a pena ter um pedal de afinação, senão um afinador clip digital já resolve.

Correia – Se você pensa em tocar numa banda e fazer shows, você vai precisar tocar em pé. E pra isso vai precisar ter uma correia para o seu baixo. A correia é aquela alça que você prende no baixo, ela vai segurar seu instrumento  e garantir que ele permaneça na posição correta ao tocar de pé.

Palhetas – Mesmo que você decida tocar baixo com os dedos, ter algumas boas palhetas vai ajudá-lo a tocar alguns gêneros como o rock e outros ritmos mais acelerados.

Cordas Extras – Apesar das cordas do baixo serem mais grossas que as da guitarra, eles também podem arrebentar. Não deixe que uma corda quebrada o atrapalhe. Tenha sempre um conjunto extra de cordas de baixo para que você possa substituir quaisquer cordas que venham a arrebentar.

Bag para Baixo – Para manter seu instrumento em bom estado e para que possa transportá-lo com segurança, você vai precisar de uma bag. Ela vai ajudar a evitar que seu baixo seja arranhado ou danificado.

iRig – caso queira praticar sem incomodar os vizinhos, o iRig pode ser uma bela alternativa para o amplificador. Ele é um dispositivo que você conecta no seu celular, tanto iOS quanto Android, e permite que plugue e toque seu baixo sem a necessidade de uma amp.

Fones de ouvido – Você pode conectar o fone de ouvido no seu iRig ou no seu amplificador para que possa praticar a hora que quiser e só você vai ouvir o som do seu baixo.

Dicas para conservação do instrumento

Se você quer ter um instrumento para a vida toda, você vai precisar tomar alguns cuidados com ele. Seja pra guardar em casa ou pra transportá-lo numa gig você tem que ter alguma cautela.Aqui vão algumas dicas de como conservar o seu instrumento.

Sempre limpe o instrumento após o uso

Uma das melhores e mais fáceis maneiras de cuidar do seu baixo é simplesmente mantê-lo limpo. Sujeira, poeira, suor, oleosidade da pele, bebidas derramadas, fumaça e outras sujeiras podem envelhecer prematuramente o acabamento e o hardware do seu instrumento

Se o seu baixo não estiver muito sujo, você pode limpá-lo usando apenas uma flanela para remover a sujeira superficial. Caso ele precise de uma limpeza mais radical, utilize álcool isopropílico ou compre um produto específico para essa finalidade.

Evite afrouxar as cordas para guardar o contrabaixo

Seu baixo ou contrabaixo foi projetado para lidar com a tensão das cordas por um período muito longo. Não ter tensão nas cordas pode levar a problemas de curvatura do braço. Por isso, evite afrouxar as cordas ao guardar o seu instrumento.

Guarde o instrumento de forma adequada

Geralmente, colocar o baixo horizontalmente (especialmente no chão) é ruim porque existe a chance dele ser pisado acidentalmente.

Apoiar um baixo contra a parede também não é recomendado, pois depois de um tempo, o braço do baixo pode começar a entortar. Sem falar que o baixo pode escorregar e cair a qualquer momento.

Armazenar o baixo em lugares altos também não é a opção mais saudável, pois estará propenso a cair e quebrar.

A melhor maneira de guardar seu baixo é usando um suporte de baixo (nos momentos que ainda for tocar) ou guardando-o em um case rígido ou uma boa gig bag (quando for guardá-lo por períodos mais longos).

Tenha um bom case ou bag para guardar o seu contrabaixo

Seu baixo novinho não permanecerá com aparência de novo por muito tempo se você não o proteger. Você precisa de algum tipo de bag ou case para guardá-lo quando não estiver em uso. Um bom case evita danos em partes fundamentais como o braço e corpo do seu contrabaixo, e também ajuda a manter tudo o que pertence ao baixo – como cordas extra e cabos – organizado em um só lugar. 

Um gig bag também é uma ótima maneira de economizar espaço, dinheiro e proteger seu baixo de arranhões e mossas. Gig bags são bons em situações em que você sabe que seu baixo estará razoavelmente seguro. Escolha um case rígido se você costuma colocar seu baixo em situações de mais risco, em que ele possa ser esbarrado, pressionado ou empurrado.

Dicas de como aprender a tocar contrabaixo

Você pode ser um baixista competente sem aulas, mas fazer aulas nunca é uma má ideia e deve ser considerado mandatório se você estiver levando a sério o baixo.

Com as aulas de baixo, você progredirá muito mais rápido e evitará desenvolver maus hábitos que terá que desaprender mais tarde.

Lembre-se sempre que a música é o mais importante, não necessariamente a técnica, mas saiba também que a falta de uma boa técnica pode limitar o quão bem você pode soar.

O melhor curso de baixo para iniciantes

Nossa indicação é o Baixo do Zero com Felipe Andreoli. Este é um curso de baixo para iniciantes ou recém iniciados que desejam ingressar no incrível mundo do contrabaixo. Ele oferece aulas com conteúdo bem explicado que vai te ajudar a dominar os fundamentos do baixo, aprimorar suas técnicas e percepção musical.

O professor dispensa comentários. Felipe Andreoli é um dos baixistas mais respeitados do mundo em seu estilo e já foi premiado como melhor baixista do Brasil em praticamente todos os veículos especializados.

Posts relacionados

2 comentários em “Baixo para iniciantes: Os 10 melhores em 2024”

Deixe um comentário