Pesquisar
Close this search box.

Melhores marcas de baixo: As 10 mais relevantes do mercado

Conheça as melhores marcas de baixo, fabricantes que produzem instrumentos que marcaram época e fazem a diferença até hoje.
Melhores marcas de baixo

Escolher as melhores marcas de baixo pode ter um caráter subjetivo, mas para diminuir a subjetividade, elencamos os fabricantes que fizeram história ou estão se destacando na atualidade.

Existem cada vez mais marcas de baixo disponíveis, mas algumas são icônicas e jamais poderiam estar fora da nossa lista.

A maioria esmagadora das marcas escolhidas é gringa, mas as brasileiras que estão fazendo bonito, ganharam seu devido espaço por aqui.

Em relação a preço, você vai encontrar de tudo, mas tenha em mente que marcas que produzem baixos mais em conta podem entregar instrumentos de primeira. Assim como nem sempre o baixo mais caro é o que mais vai lhe agradar.

Explore as opções abaixo e veja com qual você cria a maior conexão. O mais relevante é que seu baixo traga o maior valor possível pra você – em termos de tocabilidade, sonoridade e aparência – visto que seu instrumento deve ser a tradução da sua personalidade musical.

Bem…chega de enrolação e vamos ao que interessa!

Neste artigo você vai ler:

A lista das 10 melhores marcas de baixo 

Fender

Quando se pensa em marcas de baixo, talvez a Fender seja a mais conhecida e com maior presença global. Quase todo baixista sonha em ter um Fender em seu arsenal e é um investimento garantido, pois são instrumentos que vão durar a vida toda – se bem cuidados.

Ousamos dizer que os Fender são os baixos mais tocados em bandas hoje em dia e em gêneros completamente diferentes. A lista de baixistas que usam (ou usaram) a marca é gigante, aqui vão alguns nomes:

  • Duff Mckagan do Guns ‘n’ Roses
  • Mark Hoppus do Blink-182
  • Sting
  • Jaco Pastorius
  • Flea do Red Hot Chili Peppers
  • John Paul Jones do Led Zeppelin
  • Robert Trujillo do Metallica
  • Roger Waters do Pink Floyd
  • Brian Wilson dos Beach Boys
  • Dee Dee Ramone dos Ramones
  • Steve Harris do Iron Maiden
  • Mike Dirnt do Green Day

A empresa foi fundada por Leo Fender, que além de luthier era um visionário. Mais do que baixos, a Fender é uma das marcas mais conhecidas por produzir guitarras e amplificadores.

O primeiro baixo elétrico a ser vendido em grande escala e que ganhou notoriedade foi o Precision Bass, uma criação da Fender e é até hoje um dos designs mais copiados por outras marcas.

Quando se pensa em seus baixos, a Fender é geralmente lembrada por instrumentos passivos de quatro cordas, embora ela tenha outros tipos de baixo em sua linha de produção. O Jazz Bass e o Precision Bass são disparados os mais conhecidos da marca e são ícones no mundo da música.

Fender Player Precision Bass 

Como não poderia deixar de ser, escolhemos o Precision Bass para representar a marca.

Esse baixo é um clássico e teve sua primeira versão lançada em 1951 e redesenhada em 1957. 

É um instrumento muito confortável de se tocar e vem equipado com um captador Fender Player Series Alnico 5 Split single-coil, ponte standard estilo vintage e o clássico pickguard de três camadas.

Seu corpo é construído em alder e o braço é feito de maple, com um formato “modern C” – que encaixa super bem na mão.

Rickenbacker

A Rickenbacker é uma marca americana de instrumentos musicais e foi uma das pioneiras a fabricar guitarras elétricas no mundo. Reconhecida por produzir instrumentos impecáveis, ela ganhou fama, também, pelos designs ousados de seus instrumentos.

Falando em design, os baixos mais conhecidos da marca são aqueles que têm dois chifres (horns) de tamanhos diferentes, esse da foto aí de cima. E ganharam destaque nas mãos de baixistas como:

  • Lemmy do Motorhead
  • Andre 3000 do Outkast
  • Geezer Butler do Black Sabbath
  • Maurice Gibb do Bee Gees
  • Roger Glover do Deep Purple
  • Paul McCartney dos Beatles

Com um time desses, não tinha como não listá-la entres as melhores marcas de baixo.

A empresa como a conhecemos hoje, nasceu da sociedade de Adolph Rickenbacker e George Beaucamp e começou suas operações em 1931. 

A Rickenbacker foi responsável por levar ao mercado a primeira guitarra elétrica de corpo sólido, em 1932, apelidado de “frying pan” (frigideira, em português, pois lembrava muito uma panela) feita de aço.

A empresa continuou criando novos modelos e caiu nas graças dos músicos com instrumentos mais ortodoxos. Na década de 1960, John Lennon, George Harrison e Paul McCartney se tornaram os primeiros embaixadores relevantes da marca, impulsionando ainda mais o seu sucesso.

Rickenbacker 4003

O escolhido para representar essa marca de baixos foi o Rickenbacker 4003. Apesar de ser muito parecido, esse não é o modelo que Paul McCartney usava. O dele era o 4001S que foi descontinuado na década de 1980.

O Rickenbacker 4003 é famoso por seu sustain e um punch agudo. O design do seu corpo é ímpar e facilmente reconhecível. Os captadores são single-coils com ampla faixa de resposta e bastante brilho.

O baixo soa impecavelmente bem e é gostoso demais de tocar. O lado negativo é que é difícil achar um desses novo no Brasil.

Music Man

Esse é mais um fabricante emblemático de instrumentos musicais e que tem o lugar garantido em qualquer lista das melhores marcas de baixo.

Uma curiosidade interessante é que a Music Man também foi fundada por Leo Fender. Depois de vender a marca que levava seu sobrenome para a CBS, ele se juntou a mais 2 sócios em 1971 para montar essa que também fabricaria instrumentos reconhecidos mundialmente por sua qualidade de som e tocabilidade.

Não é à toa que o time de instrumentistas que usam os baixos Music Man é tão forte. Aqui vão alguns nomes:

  • Flea do Red Hot Chili Peppers
  • Mike Herrera do MxPx
  • Dave Farrell do Linkin Park
  • Tom Hamilton do Aerosmith
  • Alex James do Blur

Falando particularmente de baixos e especificamente de tecnologia, a Music Man tinha uma distância considerável da concorrência. Eles lançaram o primeiro baixo a apresentar componentes eletrônicos ativos, um pré-amplificador integrado e recursos avançados de equalização.

Na década de 80 a empresa foi vendida para a Ernie Ball, que assumiu a marca e a produção dos instrumentos dali em diante.

Music Man StingRay

Desde seu lançamento na década de 70 até hoje, o StingRay continua sendo um dos modelos de baixo mais populares. Usado por baixistas profissionais no palco e no estúdio, o StingRay mudou efetivamente o mercado de contrabaixos.

O StingRay tem o corpo feito em Ash e o braço de Maple. Possui um preamp ativo e controles de volume, agudo, médio e grave. Os captadores são Music Man® humbucking com ímãs Alnico. Uma obra de arte!

O original é super difícil de ser encontrado no Brasil. Mas existe uma opção mais acessível, que preserva as principais características do instrumento, é produzida pela Sterling by Music Man – é como se fosse a Squier para a Fender – e o modelo chama-se Ray4.

Ibanez

Quando se pensa em baixos da Ibanez, normalmente se pensa em bandas de metal. Isso se dá pela lista de artistas que são vistos empunhando seus modelos. Alguns deles são:

  • Paul Gray do Slipknot
  • Stephen Brurner do Suicidal Tendencies
  • Mike D’Antonio do Killswitch Engage
  • Reginald Arvizu do Korn

Apesar de ser a escolha desses grandes baixistas de metal, seus baixos são bem mais versáteis e podem passear por outros gêneros com tranquilidade.

Já há algum tempo a Ibanez é uma das fabricantes de instrumentos mais conhecidas do mundo, e por isso está aqui na nossa lista das melhores marcas de baixo. Mas em seu começo – na década de 1950 – essa marca japonesa tinha uma imagem meio cinzenta, pois entrou no mercado fazendo cópias de instrumentos de outros fabricantes como Fender e Gibson.

Essas cópias, inclusive, renderam uma série de processos legais movidos pela Gibson contra a Ibanez. Superado isso, a marca japonesa de baixos, guitarras e violões focou em construir seus próprios designs e conseguiu emplacar diversos modelos como as séries de baixo SR, ATK, TMB e BTB.

Ibanez TMB100

O TMB100, que também está na nossa lista de melhores baixos para iniciantes, oferece um toque especial ao combinar uma configuração de captação passiva Precision no braço e Jazz na ponte.

Ele tem um design mais retrô e acaba sendo um baixo que oferece uma aparência bacana e um belíssimo som. Suas características incluem um corpo de poplar (álamo) que contribui para um som quente e enérgico, braço de maple com escala de jatobá, ponte standard e um pickguard de “tartaruga” para completar a vibe mais clássica. 

A eletrônica do TMB100 consiste em um captador de braço Ibanez DXP (precision) e um captador de ponte DXJ (jazz), fazendo com que esse baixo lhe permita tocar qualquer estilo musical, emanando uma riqueza de sons. 

Yamaha

Para muitos baixistas, a Yamaha tem o balanço ideal entre as características que um baixista pode querer num baixo: excelente sonoridade, tocabilidade e preço.

Por esses atributos, a Yamaha não poderia estar fora da nossas lista das melhores marca de baixo e por isso eles são a escolha de alguns instrumentistas feras como:

  • Michael Anthony do Van Halen
  • Billy Sheehan do Mr. Big
  • Nathan East do Eric Clapton, Phil Collins, Michael Jackson e Elton John
  • Lee Sklar do Phil Collins e James Taylor
  • Will Lee da CBS Orchestra (David Letterman)

A Yamaha começou a produzir instrumentos no final do século XIX, mas o primeiro baixo da marca só veio a ser lançado em 1966. Era o SB-2, ele tinha o corpo parecido com o Precision Bass, mas trazia dois captadores como o Jazz Bass. Assim como outros fabricantes japoneses na época, a Yamaha se inspirava – por assim dizer – em instrumentos americanos para produzir os seus.

Em 1977 eles lançaram a série BB (Broad Bass) que é o flagship da marca. Sua construção impecável e preço acessível, fizeram com que este baixo virasse um queridinho entre os baixistas.

Yamaha BB234

Falando nele…

Escolhemos o Yamaha BB234 para representar os baixos da Yamaha. Ele oferece excelente sonoridade e tocabilidade a um preço atraente.

O BB234 da Yamaha traz recursos de qualidade, e excelente desempenho para um instrumento de preço acessível – o que reforça o compromisso da Yamaha com a excelência musical. 

O baixo é equipado com captadores personalizados – um single coil na ponte e um split coil no braço – de alto rendimento. O corpo de alder é leve e ressonante e tem um braço de maple com escala de jacarandá. 

É um ótimo instrumento tanto pra quem está apenas começando quanto pra quem já toca há mais tempo.

Gibson

A Gibson, junto com a Fender, é talvez a marca de instrumentos mais conhecida no mundo e obviamente merece o seu lugarzinho na lista de melhores marcas de baixo.

Diferente da Fender, que é um baita ícone tanto em guitarras quanto em baixos, a Gibson se destaca mais pelas guitarras, mas isso não a impede de fabricar baixos de primeira.

Isso fica reforçado quando paramos pra olhar os instrumentistas que usam baixos da marca:

  • Nikki Sixx do Motley Crue
  • Gene Simmons do Kiss
  • John Entwistle do The Who
  • Kim Gordon do Sonic Youth
  • Glenn Cornick do Jethro Tull
  • Krist Novoselic do Nirvana

A fundação da empresa data de 1902, mas só veio a produzir o primeiro baixo – o ES-1 – em 1953. Ele tinha o design do corpo similar ao da guitarra SG e trazia um captador mini-humbucker na ponte.

Comercialmente, os baixos da Gibson nunca fizeram frente aos da Fender. Apenas os seus semi-acústicos ganharam bastante destaque, mas esse tipo de corpo em si nunca foi tão popular, pra nenhuma marca fora a Hofner, quanto os de corpo sólido.

Os baixos da Gibson são enxergados como baixos mais de nicho e menos versáteis, apesar de serem – assim como suas guitarras – impecáveis em termos de qualidade e som.

Gibson Thunderbird

O Gibson Thunderbird foi o nosso escolhido para representar os baixos da Gibson. Ele tem o corpo com esse design ousado originalmente introduzido já na sua estréia em 1963. 

Esse foi o primeiro baixo da Gibson no qual o braço era uma extensão do corpo, como se fosse uma só peça. 

Feito de 9 camadas de mogno/walnut ele fornece graves estrondosos e uma sustentação de notas semelhante a de um piano. 

Os captadores são humbuckers construídos com ímã de cerâmica que emitem graves poderosos e um som único pelo qual o Thunderbird é conhecido.

Os baixos da Gibson são muito difíceis de serem encontrados no Brasil. Se quiser dar uma olhada, vale visitar o site da marca aqui embaixo:

Squier

A Squier é uma subsidiária da Fender, produzindo versões mais acessíveis dos instrumentos da marca.

Apesar de produzir a linha menos custosa da gigante americana, é cada vez mais possível encontrar baixos Squier de primeiríssima qualidade. Isso se dá pelo avanço da tecnologia empregado mesmo nos instrumentos de entrada.

Os baixos Squier são sensacionais para iniciantes e funcionam bem demais para quem precisa de um instrumento reserva e não quer colocar os mais custosos na linha de frente em gigs, onde danos podem acontecer com mais frequência.

Alguns baixistas famosos já foram vistos empunhando um Squier e alguns têm suas linhas de assinatura da marca, inclusive. Aqui vão alguns deles:

  • Pete Wentz do Fall Out Boy
  • Frank Bello  do Anthrax
  • Mike Dirnt do Green Day

A Squier é uma marca de acessórios e instrumentos musicais bem antiga e foi fundada em 1890. Produzia, principalmente, cordas. Foi adquirida pela Fender em 1965, mas a marca chegou a ser aposentada. Por causa da competição forte de instrumentos de baixo custo feitos no japão, decidiram reativá-la.

O primeiro baixo Squier foi uma reedição do ‘62 Jazz Bass da Fender, e foi fabricado em 1982 – o primeiro ano de produção da nova linha mais acessível.

Squier Precision Bass Classic Vibe 60’s

Esse Precision Bass Classic Vibe da Squire incorpora a estética do original Fender e produz um som muito robusto, graças ao seu captador split-coil de alnico projetado pela Fender. 

Além disso, ele possui recursos que trazem excelente tocabilidade, incluindo um braço em forma de ‘C’ fino – fácil de tocar – e trastes altos e estreitos. Ainda vem com uma ponte estilo vintage.

Este modelo retrô da Squier traz um acabamento elegante de braço brilhante e pintura de corpo polida, além do escudo cheio de estilo.

Se você quer ter um Fender, mas o orçamento está apertado, essa é sua melhor opção!

Epiphone

A Epiphone é um dos mais antigos fabricantes de instrumentos musicais modernos, estando no mercado desde 1873.

A empresa tinha como principal rival, até a década de 1950, a também fabricante de instrumentos Gibson. Após o falecimento de seu fundador e alguns problemas financeiros, a empresa foi adquirida por seu principal competidor.

Ficou apagada por uns anos, mas ganhou muita força novamente quanto os Beatles passaram a usar seu violões e guitarras (modelo Casino). 

O primeiro baixo Epiphone foi lançado em 1959: o Epiphone Rivoli, de corpo oco, era baseado no Gibson EB2. Foi fabricado apenas em pequenas quantidades até 1970. Ele voltou a ser fabricado na década de 1990, mas usando outros materiais (madeiras e captador diferentes).

A Epiphone, assim como a Gibson, teve que enfrentar a competição das cópias mais baratas japonesas que morderam 40% do mercado. Ela acabou se reposicionando como a linha mais barata dos modelos Gibson e voltou a ganhar força no mercado mundial de instrumentos. 

Epiphone EB3 SG

O baixo Epiphone é uma “réplica” fiel ao original da Gibson. É um baixo leve, fácil de tocar e vem equipado com um humbucker Sidewinder e um Mini humbucker para dar ainda mais potência tonal. 

Ele tem a escala curta (30,5 polegadas, enquanto que o “normal” são 34 polegadas) – facilitando a vida de quem tem mãos pequenas ou busca mais conforto ao tocar – e o braço é colado ao corpo o que dá um baita sustain para o instrumento.

O corpo é de mogno, seguindo a linha das guitarras SG é, mais fino e tem uma boa anatomia que facilita o playing.

Tagima

A primeira marca de baixo nacional na nossa lista está no mercado desde 1986. Ela leva em seus instrumentos o sobrenome de seu fundador Seizi Tagima.

A empresa teve uma mudança de rumo, para melhor, após ser adquirida pela Marutec Music e passar a ter o luthier Marcio Zaganin como responsável pelo desenvolvimento e controle de qualidade dos instrumentos.

Hoje a empresa vende instrumentos até nos EUA, com sua label Tagima USA – e foi a primeira empresa brasileira de instrumentos a atingir escala global de produção. Inclusive, a percepção dos gringos e as avaliações que rolam por lá sobre os instrumentos da marca é cada vez melhor

Pode se dizer que os baixos da Tagima batem de frente com os da Squier em termos de qualidade e acabamento. Suas linhas mais baratas são fabricadas na China, já as linhas mais rebuscadas usam madeiras exóticas brasileiras e são montadas no Brasil.

A junção de qualidade e preço acessível fazem dos Tagima excepcionais baixos para iniciantes. Você consegue encontrar baixos da marca por volta de R$1.500 que soam bem de verdade.

A avaliação geral é que a construção dos baixos da Tagima é de primeiríssima. Então o que alguns músicos mais experientes fazem é, às vezes, substituir algum componente elétrico, como os captadores, para terem um resultado fenomenal e de orçamento baixíssimo.

Tagima TW-65

Escolhemos esse instrumento para representar a Tagima na nossa lista de melhores marcas de baixo, pois ele é bastante versátil.

Apesar de ser um Precision na aparência, ele vem equipado com um captador Jazz Bass na ponte. Essa configuração de captadores ficou bem conhecida por causa do Duf McKagan do Guns N’ Roses. É um baixo que soa super bem com ou sem palheta.

Falando de aparência, o baixo é lindo, tem o acabamento impecável e entrega muito som pelo preço que custa.

O corpo é feito em Poplar, o braço em Maple e tem três knobs de controle, um de tone e dois de volume – um para cada captador.

Hofner

Indo direto ao ponto, a fama dos baixos Hofner se dá única e exclusivamente por ele ser o baixo usado por Paul McCartney. Ele tocou com um instrumento da marca – aquele que lembra um violino – desde os primórdios dos Beatles. Trocando por um Rickenbacker por alguns anos, mas até hoje usa o icônico instrumento em suas apresentações..

Como a gente é fã de carteirinha da banda e acha o cara um dos baixistas mais criativos do Rock, incluir o Hofner na nossa lista de melhores marcas de baixo era praticamente uma obrigação.

A empresa tem história, vendeu seu primeiro violino em 1887, expandindo a linha de produção para fabricar outros instrumentos de corda para orquestras, como o contrabaixo acústico – aquele grandão. Os instrumentos mais populares, como violões, só foram produzidos a partir da década de 1930.

O Violin Bass, o flagship da marca, só veio a ser lançado em 1956. E, por motivos óbvios, é ele que escolhemos para representar a marca.

Hofner Vintage ’62 Violin Electric Bass

A intenção da empresa era produzir um baixo que fosse atraente para os baixistas (que usavam o tradicional contrabaixo) que não queriam mais carregar um instrumento tão grande e pesado para tocar em grupos de jazz. 

A Hofner projetou esse baixo elétrico para que o método de construção fosse familiar aos trabalhadores da empresa, que fabricavam violinos há décadas.

Esta versão especial foi inspirada em um baixo feito em agosto de 1963 para Paul McCartney. Possui um corpo totalmente oco, feito em spruce no tampo e maple nas bordas e fundo, e o braço é fino no estilo original Hofner, bem gostoso de tocar. Ambos os captadores são Hofner Staple Nickel.

Como escolher a melhor marca de baixo

Escolher a melhor marca de baixo é uma tarefa difícil, principalmente para quem está entrando neste mundo agora. Com tantas marcas de baixo diferentes no mercado, fica ainda mais complicado saber qual é a melhor para você. 

Então, a marca do baixo importa? 

Se você está apenas começando, um baixo para iniciantes vai atender muito bem às suas necessidades. Mas à medida que você desenvolve suas habilidades e começa a tocar regularmente, você provavelmente vai querer um instrumento de ponta. 

O que a marca faz, de fato, é trazer consigo reputação, certeza de qualidade alta de seus componentes (madeiras e parte elétrica), além de adicionar muita pesquisa para o desenvolvimento de seus instrumentos.

Então, a chance de você encontrar um instrumento que soe bem e seja confortável de tocar, aumenta quando você adquire um baixo de uma marca conhecida.

Aqui vai uma  listinha de critérios que você pode usar para escolher a melhor marca de baixo para você:

  • Qualidade: Procure marcas que tenham reputação de produzir instrumentos de alta qualidade. Isso é especialmente importante se você for um músico profissional ou se planeja tocar baixo regularmente.
  • Som: considere o tipo de som que deseja obter com seu baixo. Marcas diferentes oferecem características tonais diferentes, por isso é importante encontrar uma que corresponda ao som que deseja tirar do seu instrumento.
  • Tocabilidade: Procure uma marca que ofereça baixos com braço confortável e trastes de fácil acesso. Isso tornará mais fácil tocar e permitirá que você se concentre em seu desempenho.
  • Preço: considere seu orçamento ao escolher uma marca de baixo. Algumas marcas oferecem instrumentos básicos a preços mais acessíveis, enquanto outras se concentram em instrumentos premium de última geração que podem ser mais caros.
  • Estilo de repertório: pense no estilo de música que você vai tocar e escolha uma marca conhecida por produzir instrumentos adequados para esse gênero.
  • Visual: a marca que você escolher deve lhe agradar visualmente também. Seja porque é o baixo que seu ídolo toca, seja um mais conceitual pois você é uma pessoa mais ousada… O importante é que o baixo lhe deixe instigado para tocar.

Perguntas frequentes sobre as melhores marcas de baixo

A marca do baixo importa?

Uma marca boa é garantia de qualidade para seu baixo. A marca traz consigo reputação e é resultado de investimento. Então a chance de encontrar um baixo bom de uma marca conhecida é muito maior. Sem contar que, na hora que quiser vender seu baixo, um baixo de renome terá maior valor de revenda.

Qual o melhor baixo do mundo?

O melhor baixo do mundo é, provavelmente, aquele que você sonha em ter. O mercado oferece inúmeras marcas e modelos, o que gera uma questão subjetiva para se definir o melhor. A maior chance é que ele seja de uma marca icônica como Fender, Rickenbacker, Music Man ou Hofner e tocado por um de seus ídolos.

Qual é o baixo mais caro do mundo?

O baixo mais caro do mundo é um Fender Mustang 1969. Mas não é qualquer um… para ter esse preço, ele foi tocado por Bill Wyman – baixista dos Rolling Stones – entre os anos de 1969 e 1970. Este baixo foi leiloado por $ 384.000 (dólares). Além disso, o comprador recebeu outros equipamentos de Wyman e até um amplificador. 

Qual marca tem os melhores baixos?

As marcas que fabricam os melhores baixos são: Fender, Rickenbacker, Music Man, Hofner, Epiphone, Squier, Tagima, Yamaha, Ibanez e Gibson.

Qual a marca de baixos mais popular?

A Fender é a marca que teve o maior impacto na história, se tornando a marca de baixos mais popular. A fabricante tem um sucesso estrondoso de vendas com seus principais modelos: Precision Bass e Jazz Bass.

Posts relacionados

Deixe um comentário