Pesquisar
Close this search box.

Melhores marcas de violão: As top 15 em 2024

As 15 melhores marcas de violão, sugestão de modelos e um Q&A para tirar todas as suas dúvidas antes de comprar.
Melhores marcas de violão

Quais são as melhores marcas de violão? De cara poderia se dizer que a resposta teria uma carga subjetiva, mas prestando atenção aos atributos individuais de cada uma e as comparando, conseguimos chegar no objetivo final deste artigo que é elencar as melhores e montar nossa listinha aí embaixo.

Dando uma olhada na qualidade do material usado para fazer o instrumento, na reputação da marca e na popularidade delas é possível comparar e chegar às melhores marcas de violão.

Nossa listinha engloba as marcas que são responsáveis por fazerem os melhores violões do mundo. Na lista tem uma gama extensa, não só de preço, mas de qualidade de material, tocabilidade, sonoridade e tipos de violão.

Neste artigo você vai ler:

Lista das top 15 melhores marcas de violão

Giannini

Começando por uma marca brasileira, a Giannini é conhecida por ter os iniciantes e os intermediários como público-alvo. Duas características que chamam atenção dos violões Giannini são a leveza e a simplicidade.

A empresa foi fundada em São Paulo e já tem mais de um século de história. Em 1969, lançaram a Craviola que já foi usada por músicos como Jimmy Page, Elvis Presley, Bill Winters, Robert Plant, Linda Perry e Andy Summers.

A Giannini é uma empresa que está constantemente investindo na melhoria de seus processos para produção de violões e com a consciência favorável ao meio ambiente. Ela é conhcida por produzir excelentes violões para criança, também.

Uma curiosidade é que a Giannini desenvolveu um encordoamento próprio para os seus instrumentos em 1940.

Acústico estudo nylon N-14

O violão Giannini N-14 foi o modelo que escolhemos para represenar a marca. Ele é leve, macio de tocar e de boa qualidade. Essa série – START – foi feita pela Giannini pensando no início da jornada musical com o violão. Apesar de ter sido elaborada para o músico iniciante, serve, também, para quem já tem mais experiência com o instrumento. 

Podemos dizer que esse violão é bom para os seus dedos, ouvidos e também é bom para o seu bolso – seu preço é bastante acessível. Pela excelente relação custo-benefício, este instrumento também figura na nossa lista de violões para iniciantes.

Resuminho:

  • Tipo: Acústico
  • Tipo de Corda: Nylon
  • Corte do Corpo: Clássico
  • Afinador: Não
  • Preço: R$ 339 a R$ 353

Michael

Esta também é uma marca nacional que existe desde 1999. A empresa Michael vem se dedicando cada vez mais a falar a língua dos músicos. Em 2012 passou a desenvolver e lançar novos instrumentos, construindo um time de músicos que dão uma boa chancela para a marca. 

Focados não só em violões, a Michael produz guitarras, contrabaixos, baterias, sopros, orquestrais e acessórios, todos desenvolvidos por uma equipe especializada e de vasto conhecimento técnico. São determinados em entregar um produto de alta qualidade.

Acústico Natural Vm15NY (Nylon)

Esse violão da Michael foi a nossa escolha para representar a marca. Ele consegue equilibrar sonoridade e conforto. O VM15NY por ter tensão média e cordas de nylon, oferece boa tocabilidade – ótimo para estudantes e músicos que têm esse atributo como prioridade.

O acabamento do violão é brilhante e possui as tarraxas douradas – dá uma embelezada legal. Esse modelo da Michael tem um preço que cabe no bolso.

Resuminho:

  • Tipo: Acústico
  • Tipo de Corda: Nylon
  • Corte do Corpo: Clássico
  • Afinador: Não
  • Preço: R$ 352 a R$ 380

Strinberg

É uma marca que une a alma brasileira com a qualidade americana. Fundada em 1993 – podemos dizer que é uma marca recente – a Strinberg costuma ser procurada pelos iniciantes e intermediários que buscam um bom instrumento com preço acessível.

São responsáveis pela fabricação não só de violões, mas também baixos, guitarras, ukuleles, amplificadores e acessórios – todos com matéria prima de boa qualidade.

Como os instrumentos são fabricados por músicos, diversos detalhes são pensados para melhor atender aos praticantes da arte. As tarraxas blindadas seguram muito bem a afinação e as roldanas já vêm instaladas no violão – uma delas comporta o o jack para tocar plugado poupando um furo* a mais que poderia existir no corpo do instrumento – são algumas das muitas qualidades da marca.

*Lembrando que quanto mais furo no instrumento, mais prejudicado é o som. 

SD200C

Além de ser um violão leve – 2,5 kg – ele tem um cutaway (reentrância no corpo) que permite alcançar as notas mais agudas do violão. O modelo SD200C tem um acabamento sensacional, a cor tabaco/café realça ainda mais a beleza do instrumento. As tarraxas blindadas – que é uma qualidade da marca – oferecem precisão na afinação do violão.

Além de contar com um dispositivo de equalização, o modelo também tem um afinador embutido. Como se não fosse suficiente, o violão vem com um “jack roldana” – que  oferece no mesmo local a entrada do cabo e também suporte para sua correia, caso toque em pé. 

Resuminho:

  • Tipo: Eletroacústico
  • Tipo de Corda: Aço
  • Corte do Corpo: Folk com cutaway
  • Afinador: Sim
  • Preço: R$ 979

Em tempo: Quer saber mais os violões da Strinberg. Leia nosso artigo completo sobre a marca.

Yamaha

Essa marca já tem mais de um século. Fundada em 1887, era inicialmente focada em consertos de órgãos e pianos, mas foi expandindo seu catálogo de produtos com o passar dos anos. Em 1963 lançou seu primeiro violão acústico clássico – de nylon – e em 1966 lançou um violão acústico de aço e uma guitarra (SG7)

Hoje em dia são responsáveis por um catálogo de produtos que envolve até tacos de golfe, raquetes de tênis, sistemas para conferência, arco e flecha…enfim, uma infinidade de itens e mesmo assim nunca deixou pra trás o primor de seus produtos. Afinal, estar no mercado durante esse tempo todo é uma chancela do compromisso com a qualidade.

A marca YAMAHA vem do nome do fundador – Torakusu Yamaha – que foi pioneiro na produção de instrumentos ocidentais no Japão.

CX40

Escolhemos esse modelo para representar a marca, porque além de ser um ótimo violão clássico com excelente ressonância, possui bom custo-benefício.

Essa série C da Yamaha – que conta com alto nível de mão de obra e matéria prima – resultou em um instrumento de tocabilidade ímpar.  Apesar de não possuir um afinador incluído, o CX40 tem um equalizador que permite escolher diversos timbres e volumes.

Resuminho:

  • Tipo: Eletroacústico
  • Tipo de Corda: Nylon
  • Corte do Corpo: Clássico
  • Afinador: Não
  • Preço: R$ 1.127

Tagima

Outra canarinha figurando na nossa lista de melhores marcas de violão. Além da empresa ter a chancela do mestre Márcio Zaganin – responsável pela produção e desenvolvimento de produtos e controle de qualidade dos instrumentos Tagima – ela também é conhecida por ter preços acessíveis.

Apesar de ter sido fundada em 1986, foi somente na junção Tagima + Marutec que o lance ganhou força. A Tagima conseguiu fechar acordo com a IG&T – Instituto de guitarra e tecnologia – em SP, e com isso conseguiu mais visibilidade e credibilidade para a marca. 

Em 2017 adentrou o mercado norte americano participando do NAMM (feira de exposição) com a Tagima USA. No exterior,  Tagima manteve o controle de qualidade com rigor – sempre acompanhada pelo Márcio Zaganin ou outros técnicos da empresa.

Ela vem lançando produtos que não deixam a desejar quando comparados às grandes marcas gringas. O bacana é que oferecem, além da alta qualidade, preço acessível e variedade de produtos.

AC-60 EQ Memphis

Sem muita enrolação pra falarmos sobre esse modelo que escolhemos para representar a Tagima: Violão nos moldes clássicos, com cordas de nylon e que possui um cutaway para que se chegue mais facilmente às notas agudas.

O Memphis vem com um equalizador + afinador. As possibilidades do aparelhinho incluem: volume, grave, médio, agudo e “presence” – que é responsável pelas frequências “superagudas”. Ele pode ser encontrado nas cores: Natural, Drop Sunburst, Black.

Resuminho:

  • Tipo de Corda: Nylon
  • Corte do Corpo: Clássico com cutaway
  • Afinador: Sim
  • Preço: R$ 666

Crafter

Fundada em 1972 na Coréia do Sul, a Crafter é uma marca de violão que atende a um segmento de músicos profissionais, pelo menos é o que pretendem na escolha do público-alvo. 

Apesar de pouca popularidade no Brasil, a marca possui algumas séries de violões, fazendo com que não seja excluída de nenhum gênero musical. Além disso, é reconhecida pelo primor na construção de seus instrumentos musicais. 

A empresa está presente em mais de 40 países ao redor do planeta e já conta com 50 anos de experiência na evolução dos instrumentos. Com uma política de desenvolvimento continuada a Crafter busca entregar o que há de melhor para o músico.

CR-T (HG-500CE/N)

As séries 500 e 520 da Crafter são conhecidas pelo excelente padrão de construção. O tampo maciço – em spruce – permite maior reverberação fazendo que seu som seja bem cheio/volumoso. 

Esse modelo conta com a captação da própria Crafter, equalizador e afinador. O equalizador oferece os controles básicos – graves, médios e agudos -, com ajuste de “presence”, visor de led e ajuste de volume.

Ele vem com aquelas tarraxinhas blindadas que mantêm o instrumento afinado por mais tempo e permitem uma afinação mais precisa.

Resuminho:

  • Tipo de Corda: Aço
  • Corte do Corpo: Grand Auditorium com cutaway
  • Afinador: Sim
  • Preço: R$ 3.299

Ibanez

A japonesa Ibanez foi fundada em 1957. São muitos anos de muitas guitarras, baixos, violões, amplificadores e pedais de efeito. Um detalhe bacana é que ela é a terceira maior marca de guitarra do planeta – só atrás da Gibson e da Fender.

A Ibanez foi a primeira marca a fabricar grandes quantidades das guitarras de 7 e 8 cordas.

A empresa sempre se empenhou em fazer excelentes instrumentos, não é a toa que diversos Guitar Heroes usam a marca. Steve Vai e Joe Satriani, conhecidos pela destreza no instrumento, possuem modelos exclusivos de guitarras e violões Ibanez – a famosa “Signature Model”. 

Ao longo do tempo a marca conseguiu conquistar o mercado do Jazz, do Rock, do Heavy Metal e dos acústicos. 

PC12MHOPN Grand Concert

O modelo PF – PC12MH é demais. Violão profissional com qualidade de ponta, excelente sonoridade e bom preço – tudo isso chancelado pela Ibanez. 

Por ser de mogno produz um som encorpado, ao mesmo tempo, se tocado com batidas emana sons mais agudos e médios excelentes. O timbre do instrumento é impecável.

É um violão leve – 2.7 kg – e possui tarraxas cromadas. O violão é bem rankeado na Amazon e ainda possui mais de cem avaliações de clientes do mundo todo. 

Compra certa, na certa. 

Resuminho:

  • Tipo de Corda: Aço
  • Corte do Corpo: Grand Concert com cutaway
  • Afinador: Não
  • Preço: R$ 2.055

Fender

Fundada por Leo Fender em Los Angeles – Califórnia – nos Estados Unidos na década de 40, a marca é uma das maiores e mais importantes fabricantes de guitarras, amplificadores e baixos do mundo

Os maiores guitarristas e músicos do mundo sempre têm uma Fender a tiracolo. No rol dos usuários da marca está uma extensa lista de artistas renomados e só de ver o seu ídolo com usando o instrumento, já dá vontade de comprar.

A Fender Musical Instruments Corporation, holding a qual a Fender pertence, também é dona da Gretsch, Squier, Jackson, Charvel, EVH – entre outras.

Os violões Fender começaram a surgir no início da década de 60 e uma rapaziada da pesada começou a usar logo de cara – Johnny Cash e Elvis Presley, por exemplo. 

CD-60SCE Dreadnought

Com o corpinho Dreadnought, mais forte e maior, esse modelo é um dos mais famosos da Fender.Ele encaixa perfeitamente na jornada do violonista que opta por ter um instrumento de alta qualidade, com um timbre sensacional e tocabilidade para qualquer gênero musical.

Por causa do tampo em mogno o bichinho emana um som maduro e não deixa a beleza de lado. A projeção sonora, por causa da caixa acústica do violão, é bem grande – ótimo para aulas, prática e performance.

O Dreadnought, junto com um tampo sólido, soma ao peso do instrumento – o violão pesa 3.9 kg – e é garantia de um som bem robusto.

Resuminho:

  • Tipo de Corda: Aço
  • Corte do Corpo: Dreadnought
  • Afinador: Não
  • Preço: R$ 2.849 a R$ 3.070

Epiphone

Fundada na Turquia em 1873, a Epiphone é uma das mais antigas e tradicionais marcas de violão. 

Curiosidade: Anastasios Stathopoulos fundou a empresa em Smyrna, ainda no Império Otomano – maneiro ou não? – e depois mudou sua sede para Nova Iorque em 1908. 

Em 1957 a Epiphone foi comprada pela Gibson. São mais de 145 anos produzindo instrumentos: guitarra, violão, dobro, baixo, banjo, mandolin, ukulele, amplificador e efeito. É muita história e muita bagagem. 

A Epiphone ficou conhecida como uma alternativa mais barata à Gibson. Podem ser achados diversos modelos semelhantes e mais em conta – qualidade boa e preço bom. Outro atributo  da marca é a durabilidade dos instrumentos.

Gênios da música escolheram essa marca para acompanhá-los na jornada musical. John Lennon, Paul McCartney, Bob Dylan, Keith Richards e Joe Pass fazem parte da listinha.

AJ-220 SCE

O modelo que figura na nossa listinha é um Advanced JUMBO, o primeiro até então. Ele é uma espécie de Folk com os ombros arredondados. A qualidade do Advanced Jumbo é a caixa acústica maior. Isso permite melhor propagação do som. Além da excelente qualidade sonora, ainda tem um cutaway permitindo o acesso às notas mais agudas.

Em relação ao som, e por conta da caixa acústica, o timbre é bem balanceado: grave profundo e os agudos brilhosos – isso somado ao alto volume emitido pelo violão.

Foi comentado dos graves e agudos mas não dos médios, por quê? Esse modelo Advanced Jumbo tem a região dos médios muito presente. Ou seja, perfeito para músicas instrumentais, com solos ou para acompanhar vozes. O AJ-220 SCE joga nas 11.

Como se não bastasse, o AJ vem com afinador, equalizador, indicador de bateria fraca e um phase switch –  serve para eliminar algum feedback* que esteja rolando caso esteja plugado. 

*Em tempo: o feedback é a famosa microfonia. 

Mais um detalhezinho: o captador NanoFlex, de baixa impedância, é responsável por captar não só a vibração das cordas mas também as do tampo e do corpo, resultando em um lindo timbre eletroacústico.

Resuminho:

  • Tipo de Corda: Aço
  • Corte do Corpo: Eletroacústico Advenced Jumbo com cutaway
  • Afinador: Sim
  • Preço: R$ 2.899 a R$ 3.399

Takamine

Depois de começar como um pequeno negócio familiar, em 1962, a empresa adota o nome do monte da cidade – o Monte Takamine.

No ano de 1968 a empresa se torna a líder japonesa na produção de violões e mandolins e em 1975 a Takamine resolve expandir o business mundo afora, para nossa sorte. O primeiro eletroacústico foi produzido alguns anos depois, em 1978.

Fora a série de ukulele e baixo, a Takamine tem 9 séries de violão, ou seja, é instrumento para tudo que é gosto e gênero musical. Detalhezinho: uma das séries a Taka-mini, um violão 3/4 que soa como um instrumento de tamanho normal – excelente pra pessoas menores ou que gostem de um violão menorzinho.

A Takamine é conhecida pelos instrumentos de qualidade, durabilidade, confortabilidade e beleza. 

GD15

Esse modelo é excelente pro pessoal que tá querendo apostar num preço mais baixo para conseguir um instrumento superior ao da média. A performance do instrumento se comparada ao valor, ganha de longe. 

Com som cheio, qualidade superior e beleza, esse modelo enche os olhos de qualquer instrumentista – seja iniciante, intermediário ou avançado.

Com o corpo Folk – um dos formatos mais populares – emanando timbres graves, encorpados e com boa propagação de volume, o violão é ótimo para prática, estudo e performance. 

Embutido na caixa acústica vem um dispositivo com equalizador, afinador, visor de led e um indicador de bateria.

Resuminho:

  • Tipo de Corda: Aço
  • Corte do Corpo: Eletroacústico folk
  • Afinador: Sim
  • Preço: R$ 3.449

Gibson

Com mais de cem anos de tradição, a Gibson é conhecida pela qualidade de seus instrumentos – construídos com matéria-prima de primeira.

Fundada em 1894 nos Estados Unidos, é uma das maiores empresas de instrumentos atualmente. A Gibson se tornou extremamente famosa nos últimos anos por ter sido usada incontavelmente por artistas e músicos renomados.

A marca estava na vanguarda do desenvolvimento de violões especialmente na era das Big Bands – 1930. Um exemplo disso é o modelo Gibson Super 400, que foi imitado por diversas concorrentes.

Que todo mundo sabe que Eric Clapton, Jimmy Page, Slash e centenas de outros guitar heroes já usaram a guitarra Gibson é uma coisa, mas e os violões?

Pois é! Slash tem alguns modelos de violões Gibson, Jerry Cantrell – do Alice in Chains – e Dave Mustaine – do Megadeth – também são alguns exemplos de “Signature Model” oferecidos pela marca.

G-45 //  Antique Natural (Aço)

Simplesmente o violão mais vendido da Gibson. 

O corpo do G-45 é um pouco mais fino que os modelos clássicos da marca e conta com o Player Port – um conceito que a Gibson inventou no início de 1960 e resolveu implementar novamente nesse modelo. O Gibson Player Port resulta em uma nova dimensão para o som.

Como dito, o corpo mais fino promove conforto ao segurar e tocar o violão. As tarraxas Grover entregam AQUELA afinação prometida – depois de afinar, elas mantém a afinação por tempo maior que o de costume.Dá pra passar menos tempo afinando e mais tempo tocando. 

Pelo tampo ser em Spruce há bastante propagação do som. O volume desse modelo é alto e por causa das madeiras usadas o timbre do violão é nítido e ressonante.

Lembrando que o G-45 faz parte da “Generation Collection” – como todos os modelos da coleção – é feito em Bozeman, Montana pelos mesmos habilidosos artesãos que fazem todos os modelos acústicos da Gibson.

Resuminho:

  • Tipo de Corda: Aço
  • Corte do Corpo: Folk
  • Afinador: Não
  • Preço: R$ 15.939 a R$ 16.656

Taylor

A história da Taylor é bem bacana…

Bob Taylor e Kurt Listug se conheceram trabalhando numa loja de guitarra em San Diego, CA, e viraram sócios quando o dono da American Dream – loja na qual trabalhavam – resolveu vender o empreendimento. 

Fundada em 1974 pelos dois aí de cima, a empresa conta, hoje, com mais de 1200 funcionários e produz centenas de violões todos os dias. 

Com duas grandes fábricas localizadas nos Estados Unidos – El Cajon, California – e no México – Tecate, Baja California – a empresa deixa claro que não produz nada na Asia. 

Misturando inovação nas técnicas de manufatura e designs para melhorias de timbre, a Taylor aumentou os padrões da indústria em relação à tocabilidade, ao artesanato e à performance musical.

Em 2021 a Taylor anunciou que ao invés de vender a empresa para uma concorrente, preferiu dar ações aos funcionários. Agora os próprios funcionários são donos da Taylor e o sucesso da empresa se traduz em recompensa financeira aos novos sócios – que já eram funcionários.

Academy 12e

O Academy é a nossa escolha para representar a marca. Ele agrada a todos os níveis – seja iniciante ou profissional. 

Com o corpo compacto, esse modelo oferece um som redondo e com bastante projeção enquanto o recorte ergonômico na madeira – para o apoiar melhor o braço – deixa tudo mais convidativo e confortável.

A Taylor se gaba por ter um braço esguio e elegante que acomodam a mão – tornando-o uma ótima opção para os iniciantes. Ainda temos um violão projetado para cordas de calibre leve e de baixa ação, ou seja, mais conforto.

A leveza do violão está ligada ao seu tamanho – escalas menores, braço fino, corpo compacto – e não à qualidade da matéria prima, que é de primeira.

Possui um combo “captador // pré amp” que vem acompanhado de um afinador. O equalizador tem as funções básicas de volume, graves, médios, agudos e um visor de led indicativo de bateria e afinação.

Detalhe: Um bag acompanha a compra.

Resuminho:

  • Tipo de Corda: Aço
  • Corte do Corpo: Grand Concert
  • Afinador: Sim
  • Preço: R$ 6.599 a R$ 6.890

Guild

É uma icônica empresa americana que vem fazendo violões desde 1950 e apesar de não ser tão popular como Gibson ou Fender ela é a primeira escolha de diversos profissionais.

A Guild geralmente é apontada por fazer violões com um som único – cheios de identidade. 

Com um som brilhoso, nítido e frequências graves vigorosas, o violão Guild vem marcando seu território há décadas apesar da marca ter no passado um histórico um tanto quanto conturbado. 

A empresa já foi comprada diversas vezes e talvez seja um dos motivos para que não seja tão conhecida como Martin ou Taylor. 

Durante as décadas de 1950s e 60s, a Guild tentou expandir o leque de produtos e passou a ter no catálogos as guitarras archtop. No entanto, as guitarras saíram de moda fazendo com que a Guild voltasse atrás e ofertasse somente violões.

Hoje em dia a marca produz baixos, guitarras, violões, modelos customizados e modelos “signature”. 

M-240E

O modelo que escolhemos para nossa lista é uma homenagem ao F-20 da Guild, muito usado na década de 1960. 


Com o corpo menor (3/4), o M-240E é bem macio, o que é uma vantagem: pode ser tocado com os dedos ou palheta.

Por causa do corpo pequeno, é uma ótima opção para levar em viagens.  Além disso, por causa do seu acabamento – tampo em spruce, laterais e costas arqueadas de mogno – produz sons equilibrados com bastante harmônicos. 

O violão vem equipado com um captador AP-1 que permite sua amplificação e com um equalizador de frequências e volume.  

Detalhe: O bag vem junto!

Resuminho:

  • Tipo de Corda: Aço
  • Corte do Corpo: Concert (3/4)
  • Afinador: Não
  • Preço: R$ 5.805,00

Eagle

A história da Eagle começa com a Golden. 

A Golden Guitar Instrumentos Musicais Ltda começou os trabalhos fabricando guitarras e baixos – em 1983. Os brasileiros, que tinham dificuldades de conseguir instrumentos estrangeiros, aprenderam a confiar e comprar da Golden – essa virou sinônimo de qualidade. 

A Golden, que já era conhecida pelos brasileiros, lançou no Brasil a marca Eagle.

Com o passar do tempo, a Eagle se consolidou no mercado de violões e manteve o foco no músico iniciante e intermediário – oferecendo produtos com preços acessíveis e de boa qualidade.

Hoje em dia a marca produz violões, guitarras, baixos, violinos, instrumentos de sopro – uma variedade extensa de produtos. 

Folk Ch888-Nt Natural (Aço)

Começando pelas características que chamam a atenção da marca – que já mencionamos aqui em cima – temos: bom custo-benefício, madeiras de alta qualidade.

O Folk Ch888-Nt Natural possui captador ativo e um equalizador de 5 bandas – grave, médio, agudo, “phase” e “brilliance”.  

Acompanhando o dispositivo do equalizador existe um afinador – com telinha de led para facilitar de deixar mais precisa a afinação do instrumento. 

O CH888 tem a sonoridade encorpada resultante da combinação de madeiras utilizadas na feitura do modelo. 

Resuminho:

  • Tipo de Corda: Aço
  • Corte do Corpo: Folk
  • Afinador: Sim
  • Preço: R$ 2.069,91

Di Giorgio

Com mais de 113 anos de tradição, a Di Giorgio oferece excelentes violões nacionais e prova disso, é que além do tempo de vida da empresa, a marca tem como chancela diversos artistas renomados da música popular brasileira.

O atelier de violões de Romeu Di Giorgio foi fundado em Roma – Itália – em 1908 e com o catálogo de produtos já ampliado, veio para o Brasil e se instalou em São Paulo – já com a denominação Indústria e Comércio de Instrumentos de Cordas Di Giorgio Ltda.

Com a ditadura no Brasil, ficou difícil adquirir instrumentos importados e a Di Giorgio se consagrou como a empresa responsável por produzir instrumentos de alta qualidade para músicos e compositores que surgiram naquele período. 

Alguns dos nomes que já botaram o instrumento no colo: Tom Jobim, Roberto Carlos, João Gilberto e Dorival Caymmi. 

Estudante 18 (Nylon)

O Estudante 18 é um modelo antigo da Di Giorgio – está por aí há 80 anos – e é uma referência no mercado no segmento de violões para estudo. 

Indicado para professores e alunos, ele atende todos os públicos – do profissional ao amador. 

Já que o público alvo é grande, o instrumento foi feito para facilitar o uso, portanto, o aprendizado. A ação das cordas que vem no instrumento é padrão, ou seja, nem alta nem baixa.

As madeiras utilizadas em cada parte do instrumento são: caixa em Zebrano, tampo em Oregano Pine, lateral e fundo em Pau Ferro e braço de cedro. São 19 trastes arredondados. 

O braço achatado é uma característica da marca. Isso facilita na correção técnica da mão esquerda ao longo do aprendizado: evitar o polegar alto – passando o braço – ou encostar a palma nas cordas – abafando a nota. 

Resuminho:

  • Tipo de Corda: Nylon
  • Corte do Corpo: Clássico
  • Afinador: Não
  • Preço: R$ 1.049,00

Como selecionamos as melhores marcas de violão

De cara já podemos dizer que escolher a melhor marca é subjetivo, mas estamos aqui para simplificar sua vida, então vamos lá. 

Cada player tem seu jeito de tocar,  estilo preferido, cordas preferidas – falaremos mais adiante sobre elas -, acústico ou eletroacústico, tamanho do instrumento, enfim, a lista é longa. 

Mas tem algumas coisas que podemos ajudar:

  1. Uma olhada geral no instrumento. Ver se possui alguma rachadura. Se foi embalado direito.
  2. Olhar a ação das cordas é importante. A ação da corda nada mais é do que a distância entre a corda e o braço do violão. Quanto mais perto do braço, menos esforço! No entanto, não pode ser muito coladinho a ponto de “trastejar” – isso significa que as cordas estão se chocando com os trastes em diferentes partes do braço e, consequentemente, alterando o som. 
  3. Os violões mais baratos sofrem na etapa de “controle de qualidade”, então vale a pena dar uma olhada nos trastes. Passe o dedo com cuidado. Veja se tem alguma ponta que possa oferecer perigo.
  4. Com o violão no colo, perceba como ele encaixa na sua perna e como fica na sua mão. O braço precisa ser confortável e o violão tem que parecer leve em sua perna. 
  5. Fique longe de violões que não tem marca renomada e custo muito baixo. Certamente terá uma surpresinha desagradável.
  6. Por último, mas não menos importante, não seja impulsivo. Pesquise, leia sobre o instrumento. Afinal é um investimento que você faz. Um investimento que resultará em anos de alegria
  7. Atenção a sonoridade. Toque com os dedos, toque com palheta, toque diferentes estilos – quanto mais versátil melhor.

Em tempo: Você não precisa se preocupar com esses itens se usar nossa lista das melhores marcas de violões que fizemos ali em cima. 

O que podemos destacar entre as melhores marcas de violão

Fora o que já contamos aqui em cima, vale a pena olhar para os fatores que chamam atenção em cada uma delas.

Lista das melhores marcas de violão e seus principais atributos

  1. Giannini: Modelos leves e simples
  2. Michael: Foco na qualidade
  3. Strinberg: Design moderno, custo-benefício
  4. Yamaha: Campeã de vendas, sonoridade e qualidade
  5. Tagima: Qualidade, custo-benefício
  6. Crafter: Foco no público profissional
  7. Ibanez: Design e acabamento
  8. Fender: Sonoridade, qualidade e tradição
  9. Epiphone: Qualidade, conforto e custo-benefício
  10. Takamine: Sonoridade
  11. Gibson: Qualidade, sonoridade e tradição
  12. Taylor: Qualidade, tocabilidade e identidade sonora
  13. Guild: Confortável e som versátil
  14. Eagle: Foco no público iniciante
  15. Di Giorgio: Tradição centenária

Confiabilidade e histórico das marcas

Ainda bem que hoje em dia no mercado brasileiro e internacional existem diversas boas marcas de violão. 

Quanto mais antiga a marca maior é o histórico – tanto de acertos quanto de erros. E o que ficam são as que mais acertaram corrigindo a tempo o que precisavam.

A busca pela perfeição vai conquistando músicos a tocar com seus instrumentos a ponto de confiarem em gravações – que durarão para sempre – assim como em suas apresentações – que precisam ser impecáveis ou perto disso. 

A lista que apresentamos no início do artigo contempla mais que o necessário: tradição e chancela de músicos que se ofereceram ao longo do tempo para criar modelos inspirados em suas preferências..

Acústico, eletroacústico ou elétrico

Quando se tem muitas opções, sempre surge a dúvida de qual violão comprar. A grande diferença aqui é do acústico para o elétrico. 

O acústico tem seu som disseminado pela própria caixa acústica, já o elétrico precisa ser conectado à caixa amplificadora. Ou seja, o elétrico precisa de energia já que não possui uma caixa acústica para melhor propagação do som. 

O eletroacústico, como o nome já denuncia, tem as duas opções: pode ser tocado sem energia ou com energia. O instrumento tem uma caixa acústica que permite que o som seja ouvido como um violão acústico e ainda tem a opção de ser conectado ao amplificador para que seu alcance seja ainda maior.

Os três tipos de violão existem na modalidade aço e nylon.

Tipos de cordas

As melhores marcas de violão normalmente oferecem instrumentos com ambos os tipos de corda: nylon e aço.

Dentro da nossa lista, escolhemos violões com cordas de nylon da Giannini, Michael, Yamaha, Tagima e Di Giorgio. E com cordas de aço da Strinberg, Crafter, Ibanez, Fender, Epiphone, Takamine, Gibson, Taylor, Guild e Eagle.

Pensando no estilo/gênero musical que têm mais a ver com violões de nylon, podemos citar: Música erudita/clássica, MPB, Bossa Nova, Flamenco. 

Já os violões de aço estão mais relacionados com os gêneros: Rock, Blues, Pop, Country.

As cordas de nylon são mais macias de tocar e as de aço incomodam mais no começo, mas os dois têm um contrapeso nesses quesitos. 

Os violões de nylon costumam ter o braço mais grosso e os de aço o braço mais fino, lembrando mais o de uma guitarra. Com o braço mais afilado precisamos de menos pegada, isso facilita a vida do iniciante e o ajuda a dominar os acordes de forma mais rápida.

Uma dica que mata sua dúvida: Optando por um violão de nylon, procure um de braço mais fino. 

Se estiver começando a estudar violão agora e optar pelo de aço, reduza o calibre das cordas. Isso faz com que você tenha que fazer menos força para tocar os acordes, o que implica em machucar menos os dedos no início. À medida que for avançando, volte a aumentar o calibre – caso deseje. 

Em tempo: Se estiver procurando um violão para iniciantes, fizemos um artigo com diversas dicas.

Formato do corpo

Lembrando que o formato escolhido resulta em uma sonoridade particular – um somatório de timbre e volume. 

A caixa acústica do violão funciona como um amplificador sonoro. Quanto maior a caixa, maior é o volume produzido. O inverso também é verdade: menor a caixa, menor é o volume – mesmo se tocados com a mesma intensidade..

Isso não quer dizer que optar pelo maior é a melhor escolha. Um violão menor soa melhor com o instrumentista que tem toque suave – ele consegue tirar mais proveito da pequena caixa acústica do que alguém com um toque mais pesado.

Violões com a caixa maior, como o Jumbo ou o Dreadnought, têm graves mais fortes do que os menores. Já os menores conseguem ser mais brilhosos – paqueram mais na região dos médios e agudos.

Caso seja uma pessoa de menor porte, pode optar pelos violões 3/4, por exemplo.

Tipo e qualidade de madeira

O tipo e a qualidade da madeira que o violão é produzido impacta profundamente na sua sonoridade e no seu preço.

Em tempo: Fizemos um artigo com os melhores violões bons e baratos que se pode encontrar no mercado nacional.

As madeiras maciças são conhecidas por oferecerem o melhor som – já que elas vibram mais do que as laminadas – proporcionando mais riqueza sonora. 

Geralmente um violão maciço custará mais caro do que um de madeira laminada, então, uma boa saída é combinar as madeiras. Por exemplo, pegar um topo de caixa maciço, mas com as laterais e parte de trás laminadas podem trazer alívio no bolso e ter um excelente som.

Uma madeira bastante usada nos topos da caixa é o Spruce que possui um timbre balanceado- versatilidade é o nome do jogo. Outra madeira bastante usada nessa região é o mogno- Mahogany-, o cedro – Cedar- e o bordo- Maple.

O mogno – Mahogany- é mais usado para as partes de trás e laterais, possui uma sonoridade que é descrita como amadeirada – regiões médias mais presentes. 

O nosso jacarandá é mais difícil de ser encontrado nos violões por ser um tanto mais caro que as outras madeiras, afinal, sua sonoridade é muito abrangente – fortes graves e agudos com médios bastante presentes. 

Uma opção que fica entre o mogno e o jacarandá é a nogueira – Walnut. Geralmente um violão em Walnut é mais barato que o de jacarandá e mais caro do que o de mogno. 

Qualquer que seja a combinação escolhida, sempre lembrar que as madeiras impactam na sonoridade do violão.

Antes de terminar…

Mesmo escolhendo violões das melhores marcas, é sempre importante estar atento à afinação do seu intruento. Um bom afinador é essencial para qualquer músico amador ou profissional que deseja tirar um som agradável e consistente. Um violão que esteja ligeiramente desafinado pode atrapalhar uma performance excelente. Para não passar por esse tipo de situação, leia nosso artigo sobre os melhores afinadores de violão.

Posts relacionados

4 comentários em “Melhores marcas de violão: As top 15 em 2024”

  1. A marca de melhor custo-benefício é a Cort. Pra quem toca em nylon recomendo muito o modelo CEC5, o violão que me rendeu uma ferpela boa.

    Faltam duas das melhores marcas de todas na lista:
    Martin e Seagull

    Responder

Deixe um comentário