Pesquisar
Close this search box.

Violao Memphis é bom? A gente descobriu

Para saber se o violão Memphis é bom, fizemos testes de tocabilidade e avaliamos diferentes modelos. Descobrimos quais deles valem a pena.
Violão Memphis é bom?

Sempre que uma marca está em ascensão e ainda não é muito conhecida surge a dúvida sobre a qualidade de seus instrumentos. Se você é um desses que está buscando saber se o violão Memphis é bom ou não, a resposta rápida é que depende do modelo.

A real é que a Memphis tem entregado alguns modelos que se encaixam com perfeição na “categoria” violão bom e barato, o que agrada principalmente os iniciantes que não querem fazer um grande investimento, mas não abrem mão de uma qualidade decente.

Está curioso para saber quais modelos da Memphis valem a pena? Será que vale investir em outra marca? A gente foi atrás de todas as respostas para que você não tome uma decisão equivocada. 

Então, fica com a gente até o fim do artigo que vamos tirar todas as suas dúvidas a respeito desse tema.

Para detalhar nossa análise, vamos falar neste artigo sobre o seguinte:

Sobre a Memphis

Para entender se o violão Memphis é bom, é importante conhecer o background da marca e quem está por trás da produção de seus instrumentos.

Muitos músicos têm dúvida sobre a relação da Memphis com a Tagima: se elas são a mesma coisa, se são concorrentes…

A Memphis foca em produzir instrumentos menos custosos para músicos em início de carreira. Ela é a linha de entrada da Tagima – semelhante à relação da Fender com a Squier e da Gibson com a Epiphone.  

Hoje em dia, a Tagima é uma das marcas de instrumentos mais renomadas no mercado nacional. Mas nem sempre foi assim…

A Tagima era uma fabricante de instrumentos mais conhecida no meio underground, e que tinha a qualidade de seus instrumentos bastante questionada. Até que foi comprada pela Marutec, um importante player na distribuição de instrumentos importados, que passou a investir pesado na construção da marca e no processo de concepção e produção de seus instrumentos.

Com a aquisição da Marutec, a Memphis, assim como todas as demais linhas de instrumentos da Tagima, passaram a contar com ninguém menos que Marcio Zaganin, talvez o luthier mais respeitado do Brasil, para o desenvolvimento de produtos e coordenação de produção. 

No caso da Memphis, mesmo sendo montada na China, ela tem todo o processo de fabricação rigorosamente acompanhada de perto por representantes técnicos da empresa, e muitas vezes pelo próprio Márcio.

Além do cuidado na concepção e produção, todos os produtos fabricados fora do Brasil, como é o caso dos violões Memphis, são checados e revisados à exaustão por uma equipe de luthiers altamente treinados.

Como saber se o violão Memphis é bom?

Para avaliar se o violão Memphis é bom, usamos critérios que devem ser usados na avaliação de qualquer instrumento de cordas.

Se você deseja comprar um violão, há várias coisas que você deve investigar para garantir uma compra segura. Aqui vão as nossas dicas::

  • Determine seu orçamento: os violões vêm em uma ampla gama de preços, por isso é essencial determinar quanto você está disposto a gastar antes de iniciar sua pesquisa. No caso dos modelos da Memphis, você vai encontrar instrumentos na faixa de R$ 400 a R$ 800.
  • Decida o tipo de violão que você deseja: Os violões vêm em vários formatos e tamanhos diferentes, cada um com seu som e tocabilidade únicos. A Memphis oferece vilões clássicos, folk, flat entre outros. Considere seu estilo musical e preferências e escolha o tipo de violão que atenda às suas necessidades.
  • Verifique os materiais: Os materiais usados para fazer um violão têm um impacto significativo em sua qualidade de som e durabilidade. Procure instrumentos que sejam fabricados com madeiras de boa qualidade.
  • Tocabilidade: A tocabilidade do violão é talvez a característica mais relevante, pois vai garantir seu prazer e conforto enquanto toca. Teste a ação da guitarra (a altura das cordas acima do braço da guitarra), a largura do braço e como ele se encaixa na sua mão..
  • Qualidade do som: Teste diferentes violões em sua faixa de preço para comparar e encontrar aquela com o timbre e projeção que você mais gosta. Caso não queira comprar online, leia as avaliações e opiniões de outros músicos que já adquiriram o instrumento que chamou a sua atenção.
  • Reputação da marca: Pesquise a reputação do violão que você está pensando em comprar. No caso da Memphis, ela tem o selo Tagima de controle de qualidade, o que já é um ótimo sinal.
  • Aparência do instrumento: Escolher instrumentos visualmente atrativos, ajudam a manter você motivado a pegar e tocar o seu violão. Isso é uma tremenda ajuda para dominar o violão
  • Política de garantia e devolução: certifique-se de entender a política de garantia e devolução do violão que está comprando. Isso lhe dará tranquilidade caso haja algum problema com o instrumento após a compra.

Ao considerar esses fatores, você pode fazer uma escolha segura e “educada” ao comprar um novo violão, evitando dores de cabeça desnecessárias que podem comprometer a sua jornada musical.

Consequências de uma má escolha

O fato de você estar aqui lendo essa resenha, já é um forte indício de que você não quer fazer uma escolha errada. Fazer uma opção equivocada na hora de comprar um violão pode levar a diversas consequências negativas, como:

  • Qualidade de som ruim: Um violão mal acabado ou construído com materiais de baixa qualidade pode não produzir um som satisfatório, isso vai afetar sua experiência e a motivação para continuar tocando.
  • Dificuldade para tocar: Um violão que não venha regulado de fábrica ou que apresente a ação das cordas muito alta pode ser mais difícil de tocar, gerando frustração e desconforto.
  • Durabilidade reduzida: Um violão de baixa qualidade pode não durar tanto quanto você gostaria. A compra de um violão deve ser encarada como um investimento… Sempre que for comprar um tente escolher aquele que vai ficar um bom tempo à sua disposição.
  • Valor de revenda mais baixo: se você decidir vender o violão mais tarde, um violão de qualidade inferior, ou de uma marca duvidosa, vai ter uma depreciação bem mais agressiva, o que significa que você pode não conseguir recuperar uma parcela significativa  do seu investimento quanto faria com um violão de alta qualidade.

Em resumo, fazer uma má escolha ao comprar um violão pode afetar negativamente sua experiência de tocar, motivação e prazer geral com o instrumento. É, portanto, essencial considerar todos os fatores mencionados acima para tomar uma decisão sábia e informada.

O violão Memphis vale a pena? Saiba quais se destacam

Essa linha de entrada da Tagima apresenta alguns modelos diferentes, abaixo vamos trazer os pontos positivos e negativos somente dos que achamos que valem a pena. Assim você vai conhecer qual violão Memphis é bom, de verdade. Se liga!

Memphis MD-18

O MD-18 é o modelo mais vendido da Memphis. Ele é um violão folk – ou dreadnought, como tambem é conhecido – de cordas de aço. Esse tipo de violão é comumente usado para tocar rock, folk, country e blues. Esse formato de corpo traz uma combinação interessante de som encorpado e brilhante.

Assim como os demais instrumentos da linha, o Memphis MD-18 é um violão com foco nos iniciantes.

Esse folk tem um cutway, aquela reentrância no corpo para que se alcance com facilidade as notas mais agudas do braço. Ele é um violão eletroacústico, que pode ser tocado desplugado ou conectado a um amplificador.

A versão mais recente dessa “viola” tem o pré-amp MEQ-5 com visor digital e já vem com afinador. Além disso, o output do instrumento tem – além da tradicional saída P10 – a opção de conexão XLR balanceada.

O corpo todo é construído em linden (ou basswood), uma madeira mais leve e de preço mais acessível. O som que essa madeira emite é um som ‘quente” que acentua mais a região média.

O braço também é feito em linden – com tensor para ajustes – e a escala é em rosewood. O rastilho e a pestana são em plástico (o que é usual em instrumentos de entrada) e os trastes em ferro polido.

É um instrumento com uma boa relação custo-benefício e que recebeu nota 4,5 de 5 possíveis. O preço está na faixa dos R$ 720.

Ressalva: Achamos a ação das cordas do setup de fábrica um pouquinho alta. Ouvimos alguns luthiers dizerem que esse não era um defeito específico daquele instrumento, mas sim que era uma característica comum aos MD-18.

Memphis AC-39

O AC-39 é um violão clássico, aquele modelo mais visto por aí, com cordas de nylon. Esse violão Memphis é bom para tocar MPB, bossa nova e jazz.

O corpo e o braço são construídos em linden e a escala em techwood, um composto de madeira e resina ecologicamente correto com propriedades sonoras bem bacanas.

Ainda falando do braço, tem bons recursos de regulagem, bom espaçamento entre as cordas, e menor área na região de trás, o que causa conforto ao tocar.

Assim como os demais violões da série, é um isntrumento de entrada que foca nos músicos que estão iniciando a jornada musical.

O Memphis AC-39 é um violão muito vendido no Brasil e recebeu em sua avaliação a nota máxima 4,8 de 5 possíveis. Dentro da faixa de preço e para o que se propõe a entregar, é um bom violão. O preço está por volta de R$450.

Ressalva: É um violão que não fala muito alto e por ter poucas camadas de verniz,  amassa com mais facilidade.

Memphis MD-20

O MD-20 é um folk – ou dreadnought – com cordas de aço. Comumente usado para tocar rock, blues e country.

O braço é em linden com a escala em tech wood, bem confortável de tocar e vem com tensor para regulagem. O corpo todo é construído em linden, também. Possui a caixa acústica sem película de pintura, o que ajuda bastante na ressonância. A sonoridade desse violão é mais brilhante e dá uma acentuada nos agudos.

O acabamento dele é surpreendente pra faixa de preço. No geral é um violão com excelente custo-benefício.

Partindo do princípio de que é um violão de entrada, não enxergamos pontos negativos nesse violão. Cumpre muito bem o papel e atende com excelência aos iniciantes, que é o público-alvo da marca.

Ele recebeu em sua avaliação uma nota 4,7 de 5 possíveis e o preço dele está na faixa dos R$ 430.

Memphis AC-60 EQ

O AC-60 é um violão clássico eletroacústico com um cutaway e cordas de nylon. Um violão que apesar do preço acessível, impressiona pelo acabamento bem feito. Especialmente essa versão de madeira fosca que pudemos analisar.

Se você tem a intenção de tocar solos, você definitivamente deveria optar por um violão com cutaway – que permite alcançar com facilidade a região mais aguda do braço.

O corpo todo é feito em linden, como os demais violões que avaliamos nessa resenha, que é uma madeira mais em conta, mas que cumpre muito bem o papel de propagar um som bonito se bem usada na construção do instrumento. O braço também é todo de linden.

O pré-amp é o MEQ-4 da Tagima, nele você consegue ajustar grave, médios agudo e presence, além do volume. Pra quebrar um galhão, ele traz um afinador embutido. O output para plugar no amplificador é P10 “apenas”, esse modelo não conta com a saída XLR que pode ser vista em outros instrumentos da marca.

Esse é um violão simples e honesto, que não vai fazer “mágica” mas vai permitir que você tire um bom som e se sinta confortável ao tocar.

Ele recebeu uma nota média de 4,3 de 5 possíveis e custa algo próximo a R$ 580.

O violão Memphis é bom quando comparado à concorrência?

A concorrência por esse nicho de violões bons e baratos tem sido muito acirrada nos últimos anos. Fato que beneficia demais os consumidores que cada vez mais têm boas opções de instrumentos a preços acessíveis.

Além da entrada de novos players nesse mercado, a evolução da tecnologia e globalização da mão de obra, fez com que fosse de fato possível construir violões decentes sem que se precisasse se descapitalizar muito para adquiri-los.

Abaixo vamos listar os violões de outras marcas que batem de frente com os da Memphis que citamos acima.

Importante: Na faixa de preço e com as mesmas características do Memphis MD-20, não encontramos nenhum concorrente que fizesse frente a ele.

Michael VMF361

O Michael VMF361 rivaliza diretamente com o Memphis MD-18. Ele é um folk, com cordas de aço e é eletroacústico. É um violão para iniciantes com excelente relação custo-benefício. Um instrumento honesto por um preço justo que recebeu uma nota média de 5 de 5 possíveis. Ele custa por volta de R$ 780

Giannini N-14

O N-14 é um concorrente direto do Memphis AC-39. Este é um violão clássico com cordas de nylon. E, especificamente, esse modelo da Giannini é difícil de qualquer outro bater. É o violão mais vendido do Brasil e tem o menor preço entre os violões dessa categoria (considerando os que têm uma qualidade satisfatória). É um violão muito simples mas que não faz feio, feito pra quem está começando. Ele tem uma avaliação média de 4,6 de 5 possíveis. E o preço é na casa dos R$ 350.

Giannini NF-14

O NF-14 bate de frente com o Memphis AC-60 EQ. Apesar de não ser um clássico, e sim um flat (com o corpo mais fino), achamos que valia a menção aqui. Ele apresenta um cutaway – para acesso às notas mais agudas do braço – e vem com cordas de nylon. O ponto positivo desse eletroacústico é o preço e a popularidade. O NF-14 é o mais vendido da categoria e custa menos de R$ 500.

Perguntas frequentes sobre o violão Memphis

Violão Memphis ou Giannini?

Ambas são marcas nacionais que produzem violões de entrada, com foco em iniciantes, de boa qualidade. Se sua escolha for por violões folk com cordas de aço, os Memphis apresentam melhor performance e relação custo-benefício, mas se sua opção for por clássicos ou flats de cordas de nylon, a Giannini se sai melhor.

O que é violão Memphis?

O violão Memphis é um linha desenvolvida pela Tagima, renomada marca nacional de instrumentos que tem como responsável pelo desenvolvimento e controle de qualidade o luthier Márcio Zaganin. O violão Memphis, assim como os demais instrumentos dessa linha, são desenvolvidos pensando em atender os músicos iniciantes.

Afinal, o violão Memphis é bom?

O violão Memphis tem por trás a confiança e controle de qualidade da Tagima, uma das marcas mais conhecidas do Brasil. O fato de seu desenvolvimento e controle de qualidade estarem nas mãos de um dos luthiers mais aclamados do Brasil, o Marcio Zaganin, faz com que a compra de seus instrumentos tenham um bom respaldo.

Não espere mais do que os violões realmente são. Eles são instrumentos simples, com bom acabamento e que soam decentemente. O preço dos violões Memphis são um atrativo, mas alguns enfrentam uma concorrência forte.

Não tente fugir dos modelos que trouxemos aqui e fique de olho nos que apresentamos como alternativa para que faça uma escolha mais adequada.

O veredito final é que o violão Memphis é bom desde que se saiba escolher o modelo e que tenha em mente o nicho que ele se enquadra, sem que se criem falsas expectativas.

Posts relacionados

Deixe um comentário