Pesquisar
Close this search box.

Yamaha Revstar é boa? Resenha detalhada da guitarra

Conheça todos os detalhes dessa guitarra que vem ganhando popularidade. Saiba se a Yamaha Revstar é boa e vale a pena tê-la em seu "arsenal".
Yamaha Revstar é boa?

A Revstar é uma linha de guitarras elétricas produzida pela Yamaha, marca conhecida por sua qualidade, tradição e por atrair um grande número de profissionais respeitados. 

Combinando a longa e gloriosa história da Yamaha com um visual herdado das motocicletas “Café Racer” (estilo das motocas no final dos anos 1950), e uma pitada de estilos de artesanato japonês, nasceu a Yamaha Revstar – originalmente lançada em 2015 após um período de gestação bastante longo.

A Yamaha Artist Services em Los Angeles (YASLA) – um centro de customização de instrumentos e ponto de encontro de artistas para realização de jam sessions – tem criado muitos modelos personalizados da Revstar para artistas.

Para descobrir se a Yamaha Revstar é boa, você vai ler:

Sobre a marca

A Yamaha é uma empresa japonesa com um histórico de mais de 125 anos de sucesso não só em instrumentos musicais, mas em diversos setores, incluindo  equipamentos esportivos, eletrônicos e transportes. Fundada em 1887 por Torakusu Yamaha, a empresa começou produzindo pianos e, ao longo dos anos, expandiu seu alcance para incluir uma ampla gama de produtos e serviços.

Hoje, a Yamaha é um dos maiores fabricantes de instrumentos musicais do mundo, com uma linha de produtos que inclui diferentes tipos de guitarra, baixo, violão, teclados, baterias e muito mais. A empresa também é conhecida por sua linha de motocicletas e veículos de lazer, além de equipamentos esportivos e eletrônicos de áudio e vídeo de alta qualidade.

A empresa também é comprometida com a sustentabilidade e o bem-estar da comunidade. Ela possui programas de responsabilidade social em todo o mundo, incluindo projetos de conservação ambiental e iniciativas para promover a educação e o acesso à cultura para pessoas de todas as idades. 

Sobre as guitarras da Yamaha

A marca Yamaha é conhecida por produzir guitarras de alta qualidade, desde modelos clássicos até guitarras elétricas modernas. Os instrumentos da Yamaha são usados por músicos de todos os níveis de habilidade, graças à sua durabilidade, versatilidade e som excepcional.

A linha de guitarras inclui modelos clássicos, como a famosa guitarra acústica FG, além de uma gama de guitarras elétricas, incluindo a linha Revstar, lançada em 2015.

A marca também oferece uma boa variedade de guitarras sintetizadoras, como a RGRX, com ‘infinitos’ sons e efeitos especiais.

Resenha da Yamaha Revstar

A marca Yamaha produz uma linha de guitarras elétricas conhecidas como Revstar, que foram lançadas em 2015 após um longo processo de desenvolvimento. Desde então, as guitarras Revstar têm se tornado cada vez mais populares entre os músicos.

As guitarras Revstar são feitas com materiais de alta qualidade e possuem uma série de recursos especiais, como captadores personalizados e um design de corpo único, que é um diferencial no mercado. Além disso, a Yamaha oferece uma boa variedade de modelos Revstar para atender a diferentes estilos musicais e preferências de pegada.

Os modelos dessa série são: Revstar Professional, Revstar Standard, Revstar Element.

Aspas: Comecei a prestar atenção na Yamaha Revstar em 2017, quando vi um “moleque” arrebentando. Matteo Mancuso, italiano, fenômeno. Um dos melhores da nova geração no jazz/jazz fusion/rock fusion. O rapaz tem uma pegada de rock e faz fraseados de fusion acompanhado de uma mão direita incrível – com requintes de violonista espanhol. 

Yamaha Revstar Element

Essa aqui é uma guitarra mais em conta, quando se olham os 3 segmentos da Revstar, mas tão bem feita quanto as demais. 

Assim como as outras séries da linha Revstar, a Element conta com um chambered body – aquelas câmaras no interior do corpo que permitem moldar o timbre e reduzir o peso – resultando em uma execução clara, com timbre quente e agradável. 

Ela vem com um Dry switch – hein? Então, essa opção fica embutida no controlador de timbre que tem uma opção push/pull, que tem como função proporcionar à guitarra timbres mais brilhantes – sem ruídos ou perda de potência, diferente do que acontece com as bobinas convencionais. Não é à toa que a Yamaha é uma das grandes empresas do setor, está sempre evoluindo. 

Na série Element também encontramos um modelo para canhotos: RSE20L

Com a mesma característica de estilo e design das outras da linha Revstar, essa Element também é inspirada nas motocas “Cafe Racer” – do final dos anos 1950 – que fizeram sucesso e inspiram até hoje. Também é adicionado um quê de artesanato japonês e minimalismo. 

Em tempo: O Dry Switch permite explorar melhor os diversos timbres que a guitarra já tem. É uma coleção de possibilidades de timbre em uma guitarra só.

Importante: Na linha Element, a Yamaha não comenta sobre hard case ou bag, então quando for comprar sua guitarra, para evitar danos, fique atento e adquira um acessório protetor.

RSE20

Assim como as outras guitarras Revstar, a RSE20 – da linha Element – é super versátil. A guitarra foi feita pensando no guitarrista e no som que ele quer tirar do instrumento, ou seja, ao mesmo tempo que a empresa se empenhou para que o visual fosse bonito e a guitarra fosse confortável ao instrumentista, ela se preocupou com o timbre. 

Para dar essa qualidade extra ao timbre, a Yamaha fez o chambered body – explicado acima – unido a elétrica – como o dry switch – para que o guitarrista pudesse explorar a gama de timbres possíveis. Isso tudo proporciona ao músico um instrumento que possa ser tocado em diversos estilos. 

Características da RSE20

  • Corpo: Mogno com chambered
  • Braço: 3 peças de mogno
  • Escala: Rosewood
  • Captadores: 2 humbuckers
  • Ponte: Tune-O-Matic com Stopbar
  • Elétrica: 2 controladores; 1 de volume e 1 de timbre com controle push/pull (dry switch); chavinha seletora com 3 posições

RSE20L

Como no modelo Standard, a Yamaha  também se preocupou em fazer um modelo para canhotos na versão Element, e esse é ele: RSE20L.

Com as mesmas qualidades e características da RSE20, fiquem com os detalhes desse “axe”. 

Características da RSE20L:

  • Corpo: Mogno em 2 peças e chambered; tampo em maple
  • Braço: 3 peças de mogno; reforço de carbono
  • Escala: Rosewood
  • Captadores: 2 single-coil P-90
  • Ponte: Tune-O-Matic com Racing Tailpiece
  • Elétrica: 2 controladores; 1 de volume e 1 de timbre com controle push/pull (focus switch); chavinha seletora com 5 posições

Yamaha Revstar Standard

Assim como a série Revstar Professional, a linha Standard também conta com chambered body – pequenas câmaras no corpo da guitarra que além de a deixar mais leve fisicamente, ajuda na reverberação e timbre. Pra dar um toque extra na reverberação, o reforço de carbono no braço contribui para a transferência de vibração. 

Chavinha com 5 posições – com as mesmas características da Professional – sendo que a posição 2 e 4 consiste numa sutil mudança de fase pra que você possa moldar seu timbre com mais precisão. 

Focus switch – Controlador de timbre no estilo push/pull, que ativa um boost parecido com os captadores overwound – é um tapa na equalização, dando um ganho nas frequências e gerando um pouco mais de agressividade. 

Entre os modelos dessa linha, a primeira diferença: A RSS20 e a RSS20L vêm com humbuckers, já a RSS02T vem com single-coil no estilo P-90. Mesma proporção humbucker/single-coill da série Professional – duas guitarras HH e uma SS.

Detalhe: A RSS20L é uma versão para canhotos da RSS20. 

Importante: Nessa linha Standard, segundo a Yamaha, o normal é a guitarra vir acompanhada de uma bag de luxo. Fique atento. 

RSS20

A primeira coisa que chama a atenção na Yamaha Revstar RSS20 – da linha Standard – é seu design único e despojado. Com linhas curvas e uma estética minimalista, ela se destaca entre as guitarras elétricas mais tradicionais do mercado. A madeira utilizada na construção também contribui para seu visual único, dando-lhe um aspecto mais acolhedor e artesanal.

Em termos de som, a Yamaha Revstar RSS20 é incrivelmente versátil. O seu som limpo é excepcionalmente claro e equilibrado, o que a torna perfeita para músicos que buscam um som vintage

Quando se liga a distorção, ela ganha uma pegada poderosa e áspera, tornando-se ideal para estilos de música mais pesados. Os captadores oferecem um excelente drive e sustain.

Esse é um instrumento confortável. O acabamento do braço, como um todo, proporciona um deslize suave e preciso.

Características da RSS20:

  • Corpo: Mogno com chambered; tampo em maple
  • Braço: 3 peças de mogno; reforço de carbono
  • Escala: Rosewood
  • Captadores: 2 humbuckers
  • Ponte: Tune-O-Matic com Stopbar
  • Elétrica: 2 controladores; 1 de volume e 1 de timbre com controle push/pull (focus switch); chavinha seletora com 5 posições

RSS20L

A série RSS20L tem exatamente as mesmas características da RSS20, mas é um modelo para canhotos – ou destros que gostam de dar uma mudada no visual.

Para não ficar repetitivo, consulte a resenha da RSS20 aqui de cima – ela possui as mesmas descrições e qualidades. 

Características da RSS20L:

  • Corpo: Mogno com chambered; tampo em maple
  • Braço: 3 peças de mogno; reforço de carbono
  • Escala: Rosewood
  • Captadores: 2 humbuckers
  • Ponte: Tune-O-Matic com Stopbar
  • Elétrica: 2 controladores; 1 de volume e 1 de timbre com controle push/pull (focus switch); chavinha seletora com 5 posições

RSS02T

Essa aqui é diferente dos modelos acima, a começar pelos captadores. 

A RSS02T vem acompanhada de 2 single-coils, ao invés de vir com os humbuckers das “irmãs”. Os 2 singles coils são P-90, AlnicoV. 

Aspas: Já comentei sobre esse assunto mais acima, mas vou repetir. Há quem prefira single-coil do estilo Fender pra tocar blues, na minha opnião, esses P-90 são quentes, limpos, seguram drive e tudo mais que você queira. É do gosto do freguês. 

Outra diferença que esse modelo tem dos demais dessa linha, especificamente, é o escudo. A RSS02T tem o escudo creme com 3 camadas. Os outros modelos permitem ao guitarrista escolher dentre alguns modelos – todos com 3 camadas.

O escudo – ou pickguard – serve pra gente não arranhar a guitarra nas palhetadas mais braçais. Movimento de mão é tudo rapaziada, poupa esforço e escudo do “axe”

Compilando as informações, pode-se dizer que a Yamaha Revstar RSS02T é uma guitarra versátil, construção de qualidade e estética. Sonoridade vintage, nítido e que quando ligada às distorções, ela arrebenta. Indicada para guitarristas de todos os estilos musicais que querem um instrumento para estrada e para estúdio. 

Características da RSS02T:

  • Corpo: Mogno com chambered; tampo em maple
  • Braço: 3 peças de mogno; reforço de carbono
  • Escala: Rosewood
  • Captadores: 2 single-coil P-90
  • Ponte: Tune-O-Matic com Racing Tailpiece
  • Elétrica: 2 controladores; 1 de volume e 1 de timbre com controle push/pull (focus switch); chavinha seletora com 5 posições

Yamaha Revstar Professional

Criada pelos mestres luthiers japoneses, as guitarras Revstar Professional são o crème de la crème dos diferentes modelos Revstar. 

Características comuns nas três guitarras do segmento Revstar Professional:

No corpo, o instrumento conta com câmaras – chambers – que foram projetadas para moldar o timbre e reduzir o peso. Existem também um reforço de carbono que abrange corpo e braço para que a vibração se propague melhor.

Chavinha seletora com 5 posições; a sutil mudança de fase, nas posições 2 e 4, trazem uma uma nova visão “entre” os timbres clássicos.

Focus Switch – Que parada é essa Resenha Sonora? Então, esse knob – controlador – do tipo push/pull, ativa um boost passivo – como se fosse um captador overwound , ou seja, fazendo os agudos, médios e graves mais presentes e agressivos.

Em tempo: captador overwound tem um som mais encorpado e uma maior resposta de graves quando comparado a um captador comum. Isso é conseguido ao enrolar mais fios de cobre em torno do núcleo do captador, o que aumenta a resistência elétrica e, consequentemente, a saída do sinal.

Esses captadores são mais usados em guitarras elétricas como uma forma de aumentar o volume e o peso do som. São populares entre os músicos que tocam estilos mais pesados ​​de música, como metal e rock, porque ajudam a dar mais peso e presença às notas da guitarra.

Em relação aos captadores, atenção: a RSP20 e a RSP20X vêm com humbuckers, já a RSP02T vem com single-coils P-90. 

Aspas: Falando no modelo com P-90, temos o Chris Buck – guitarrista multi premiado da banda Cardinal Black – tocando uma RSP02T. Incrível. Num momento que todo mundo tá “apressado” na guitarra, ele curte os bends – de diversas formas – dando uma respirada melódica no meio dos fraseados. Com fortes influências de blues e rock, Chris Buck arrebenta. Conheci o rapaz por um show – no Youtube – ao lado de um outro ídolo meu, Slash. 

As Revstar Professional contam também com o I.R.A – Initial Response Acceleration -, que permite que a guitarra reaja de maneira mais rápida e precisa ao toque do músico, resultando em um som mais dinâmico e expressivo.

Importante: Nessa linha Professional, segundo a Yamaha, o normal é a guitarra vir acompanhada de uma hard case. Fique atento. 

RSP20

A Yamaha Revstar RSP20 – da linha Professional – é uma guitarra elétrica de corpo sólido que se destaca pelo seu design único e pela construção de alta qualidade. Com uma escala de 24,75 polegadas e captadores humbucking Alnico V, a RSP20 oferece uma ótima combinação de sustain – tempo que o som permanece vibrando depois da nota ter sido tocada – e timbres quentes e encorpados.

O corpo da RSP20 é construído com uma mistura de madeira de maple e mogno, dando uma excelente ressonância e um timbre equilibrado. O braço em formato “D” também é feito de maple, o que o torna confortável de tocar e permite um acesso fácil às cordas nos frets mais altos – agudos – por causa do cutaway – reentrância no corpo do instrumento.

A ponte da RSP20 é mais uma característica que chama a atenção, ela é ajustável para garantir que a afinação da guitarra se mantenha estável.

É uma opção excelente para músicos experientes que procuram uma guitarra versátil e confiável para usar em diferentes estilos musicais.

Características da Revstar RSP20

  • Corpo: Mogno em 2 peças e chambered; tampo em maple; reforço de carbono
  • Braço: 3 peças de mogno; reforço de carbono
  • Escala: Rosewood
  • Captadores: 2 humbuckers
  • Ponte: Tune-O-Matic com Stopbar
  • Elétrica: 2 controladores; 1 de volume e 1 de timbre com controle push/pull (‘focus switch’); chavinha seletora com 5 posições

RSP20X

O modelo Yamaha Revstar RSP20X – da linha Professional – é um tipo de guitarra elétrica de corpo sólido que é adequado para vários estilos musicais. Devido à sua combinação de tonalidades quentes e encorpadas, sustain e afinação estável, ela é popular entre músicos que tocam rock, blues, jazz e outros estilos que exigem um som forte e expressivo.

A RSP20X é uma opção popular para músicos que procuram uma guitarra versátil que possa ser usada tanto em shows ao vivo quanto em gravações. O “axe’ possui uma construção de alta qualidade e um design único que o torna um instrumento atraente para muitos guitarristas.

Alguns músicos conhecidos que usam ou já usaram o modelo Yamaha Revstar RSP20X incluem o guitarrista de blues rock Joe Bonamassa, o guitarrista de rock alternativo Tom Morello e o guitarrista de heavy metal Gus G. O nome do jogo aqui é: versatilidade.

Os captadores da RSP20X são iguais aos da RSP20; VH5n Alnico V (Humbucker) no braço e VH5b Alnico V (Humbucker) na ponte.

Características da Revstar RSP20X:

  • Corpo: Mogno em 2 peças e chambered; tampo em maple; reforço de carbono
  • Braço: 3 peças de mogno; reforço de carbono
  • Escala: Rosewood
  • Captadores: 2 humbuckers
  • Ponte: Tune-O-Matic com Stopbar
  • Elétrica: 2 controladores; 1 de volume e 1 de timbre com controle push/pull (‘focus switch’); chavinha seletora com 5 posições

RSP02T

A RSP02T – da linha Professional – é uma verdadeira preciosidade para qualquer guitarrista que procura um instrumento de alta qualidade e estilo próprio. Com seu corpo de maple e mogno, e braço em formato “D” de maple – com 22 frets de pura alegria – essa guitarra oferece um timbre equilibrado e uma resposta suave ao toque.

Mas o que realmente chama a atenção na RSP20T é sua ponte Tune-o-matic e base de afinação ajustável. Além de oferecer um excelente sustain e uma afinação estável, esses recursos tornam a troca de cordas uma tarefa muito mais simples. 

E é claro que não poderíamos deixar de mencionar os captadores single-coil P-90 Alnico V da RSP20T. Eles entregam um som quente e encorpado que é perfeito para estilos como rock, blues e jazz. Sem dúvida, essa é uma guitarra que vai satisfazer até os mais exigentes guitarristas.

Aspas: Há quem prefira os single-coils no estilo Fender para tocar um blues, mas esse P-90 também é o bicho pra tocar esse gênero musical.

Um dos heroes que faz um som brabo com esse modelo é o Chris Buck – comentado lá em cima. Apesar de ser da “nova geração” de guitarristas, ele já tem bastante identidade no instrumento. 

Características da Revstar RSP02T

  • Corpo: Mogno em 2 peças e chambered; tampo em maple; reforço de carbono
  • Braço: 3 peças de mogno; reforço de carbono
  • Escala: Rosewood
  • Captadores: 2 single-coils P-90
  • Ponte: Tune-O-Matic com Racing Tailpiece
  • Elétrica: 2 controladores; 1 de volume e 1 de timbre com controle push/pull (‘focus switch’); chavinha seletora com 5 posições

Em tempo: repare que diferente das outras duas, essa tem um racing tailpiece na ponte e as outras são stopbar.

Testando a Yamaha Revstar

Tocando Rock com a Yamaha Revstar

Depois de analisar os modelos, ficaremos com as opções de humbucker oferecidas por todas as séries.

As linhas que vêm com single-coils não vão chegar nos timbres desejados por um guitarrista que toque algum dos gêneros derivados do estilo de heavy metal ou mesmo hard rock.  

Tocando Blues com a Yamaha Revstar

Optando por blues ou jazz, os modelos que possuem o P-90 dão o que falar e são, definitivamente, a sua melhor escolha 

Timbre limpo, nítido, quente, aveludado, tem de tudo. Quem optar por gêneros musicais que requerem menos distorção, o modelo é esse. 

As guitarras que vêm equipadas com humbuckers tem um som bem nítido, mas não vão soar como um single-coil, não tem como, né? Mas caso seja fã do blues de humbucker, como diversos gênios da nossa história, então tudo certo! As versões de humbuckers possuem um timbre limpo bem nítido e robusto. 

Como é a experiência de tocar uma Yamaha Revstar

Criar um novo design de guitarra de sucesso em nível internacional é algo extremamente difícil, e é uma das principais razões pelas quais muitos fabricantes seguem modelos antigos, que já se provaram eficientes ao longo do tempo. 

A Yamaha utilizou elementos das guitarras hollowbody dos anos 60 e os combinou com tecnologia moderna, criando uma série de guitarras únicas e versáteis. São profissionais, adequadas para o propósito, sem ser pesadas demais.

Mesmo a RSE20 – o modelo mais em conta – tem uma resposta viva, o tipo de coisa que você experimentaria em um instrumento de nível superior. 

O modelo Standard pega a Element e adiciona o reforço de braço de carbono e trastes de aço inoxidável, e o modelo Profissional simplesmente aperfeiçoa essas características para uma guitarra que facilmente compete em seu ponto de preço e acima. 

Os sons são bem escolhidos e a chavinha seletora de 5 posições expande ainda mais a gama. Os circuitos de perda de agudos ajudam a manter a clareza em níveis de saída menores.

Todos os modelos têm um visual incrível, então, tocar com uma Revstar vai unir som de primeira, leveza, conforto e aparência. Quer mais o que?

Veredito: A Yamaha Revstar é boa?

A Revstar é uma ótima opção para músicos que buscam por um instrumento versátil e estéticamente diferente, mas sem perder a qualidade de construção e sonoridade.

Ela tem é fabricada pela Yamaha que é uma das melhores marcas de guitarra, o que garente componentes, madeira e acabamento de altíssima qualidade.

Com sua pegada poderosa e som rico, ela é perfeita para diversos gêneros e estilos musicais, desde o blues até o heavy metal.

Se a procura é por um instrumento para estrada e estúdio, achou.

Posts relacionados

Deixe um comentário